Falta energia no campo em SC Francine Bagnati/PMF

Foto: Francine Bagnati / PMF

O avanço da tecnologia no campo requer mais energia. O presidente da Faesc, José Pedrozo, alerta que a transmissão hoje, com linhas monofásicas, tem muitas falhas. Deveria ser com linhas trifásicas. Décadas atrás, um aviário tinha 30 metros quadrados, hoje têm 200. Solução também é cobrada da Celesc e governos  pela Comissão de Agricultura da Assembleia, presidida pelo deputado Natalino Lázare. SC tem 80 mil famílias rurais e 42 mil quilômetros de fiação monofásica. Pedrozo diz que o setor pode iniciar estudos sobre geração solar e mais biogeração, mas o fornecimento da Celesc é fundamental. 

Vale lembrar
Como SC responde por 2,9% da safra nacional este ano apesar de ter apenas 1,2% do território, Chapecó foi escolhida pelo IBGE, semana passada, para sediar a divulgação mensal dos dados agrícolas do país. A safra brasileira registrou alta de 30% este ano, com mais de 240 milhões de toneladas, e a de SC cresceu 15%, passando de 6 milhões para 7 milhões de toneladas. Foi o agronegócio que tirou o país da recessão no primeiro trimestre. 

Trabalhista
Para a presidente da Aemflo, Nadir Koerich, as mudanças trabalhistas no país vão ajudar a gerar mais postos de trabalho. Segundo ela, haverá mais segurança jurídica e os custos vão cair. O vice-presidente da Fiesc para a Grande Florianópolis, Tito Schmitt, que acompanhou a sanção da reforma, quinta, em Brasília, também avalia que haverá mais contratações.  Segundo ele, dos empresários naquele evento, a maioria disse ver cenário pior se o país ficar trocando de presidente nos próximos meses.  

Mulheres na tecnologia
Acontece na manhã de hoje, a partir das 8h30min, no Link Lab Acate, na Acate Primavera, em Florianópolis, o painel Empoderamento Feminino nas Empresas de Tecnologia. Somente mulheres vão falar. A moderação ficará a cargo de Caroline Dalmolin, líder de Startup Relations e as painelistas serão as empresárias Carolina Linhares, Cristiane Bittencourt, Gabriela Werner, Karyna Silveira, Raquel Rafael e Walérya Carriço. A participação é livre. 

Previsc: R$ 1,1 bilhão
Sociedade previdenciária complementar do Sistema Fiesc, a Previsc chega aos 30 anos fazendo gestão de patrimônio de R$ 1,1 bilhão. Outro diferencial é que conta com o  IndústriaPrev, primeiro plano de previdência complementar setorial do Brasil. Lançado em 2015, é aberto a empresários, industriários e familiares, tem 845 participantes e patrimônio superior a R$ 3 milhões. A Previsc também faz gestão de planos de outras instituições. Empresários de Joinville saberão mais sobre o trabalho da Previsc hoje na reunião da Acij. 

Como na Broadway
Exemplo de evento cultural com forte impacto turístico, o Festival de Dança de Joinville começa amanhã e vai até o dia 29. Na programação paralela um curso inédito, sobre como organizar um musical da Broadway. Será sobre o espetáculo O violinista no telhado, ministrado por Alain Sinai, diretor que coordenou o festival Carmel, de Israel. 

Impacto da crise
Nos três últimos anos, foram abertas 5,5 mil novas empresas no município de Palhoça. Mas apenas este ano, até junho, foram abertas 1,6 mil. Dessas, quase 80% são empreendedores individuais, informa o secretário de Desenvolvimento do município, Marcelo Fett. Ele avalia que esse número maior é em função da crise econômica. Como mais de 50% fecham em dois anos, significa um problema social futuro. 

Acompanhe as publicações de Estela Benetti
 Veja também
 
 Comente essa história