Referência nacional e internacional no fomento à geração de empresas inovadoras, o programa Sinapse da Inovação, desenvolvido pela Fundação de Amparo à Pesquisa e Inovação do Estado (Fapesc) em parceria com a Fundação Certi, contará com a sexta edição, que será lançada quarta-feira com investimento de R$ 10 milhões. Criado para fomentar novas empresas de tecnologia, o programa gerou até agora 6.600 ideias, impulsionou a abertura de 385 empresas das quais 83% estão operando. Elas geraram 765 produtos ou soluções de serviços que fornecem ao mercado brasileiro e também exportam para 36 países de todos os continentes. 

Apesar da crise, o governador Raimundo Colombo decidiu manter o programa diante da importância da inovação para a economia do Estado dar saltos maiores em crescimento e geração de renda. Será feita a seleção de projetos e, no começo do ano que vem serão librados R$ 10 milhões. A maior parte disso, R$ 60 mil para cada um dos 100 projetos vencedores, será paga pelo governo de SC via Fapesc. O  CNPq fornecerá bolsa de um ano a um técnico graduado de cada empresa no valor de R$ 3,5 mil mensais. No total, cada uma ganhará R$ 100 mil.  

Segundo o presidente da Fapesc, Sergio Gargioni, este é o mais eficaz modelo para incentivar a inovação no país. Deu certo e se tornou o carro-chefe da inovação do Estado. Por isso foi exportado para o Amazonas e Espírito Santo. O governo federal, por meio do Ministério da Ciência e Tecnologia, estuda adotar em nível nacional. 

— Das soluções criadas, 93% foram utilizadas por empresas tradicionais.  Aliás, aqui no Estado temos um parque industrial que necessita de tecnologias de ponta e isso ajuda no sucesso dessas novas empresas inovadoras — explica Gargioni. 

Entre as empresas que tiveram apoio do Sinapse estão a Welle Laser e a Horus Aeronaves. Na última edição, projetos de 21 municípios foram contemplados e 50% foram apresentados por estudantes de mestrado ou doutorado. A Fapesc apresenta o projeto em várias regiões para atrair mais a atenção. As inscrições para a próxima edição vão até o final deste mês. 

Uma novidade este ano é um interesse maior para projetos de inovação ao meio rural. Isto em função da parceria que o governo do Estado, via Secretaria de Agricultura, firmou com o Banco Mundial (Bird) com esse objetivo, dentro do programa Nita. 

Torneio de educação e negócios

 Coluna Estela.Credito: fiesc, divulgaçãoAlunos do Senai e o presidente da Fiesc, glauco jose corte, em Dubai
Na foto, Côrte e o senador Cristovam Buarque e Ricardo Ferraço com os estudantes de SC Rafael de Borba (E), Bruno Gruner e Eric da Silva (D).Foto: Fiesc / Divulgação

Empresários da indústria que estão em Abu Dhabi, nos Emirados Árabes Unidos para acompanhar o torneio internacional de educação tecnológica WordSkills também aproveitam para participar de evento de negócios. São 56 estudantes brasileiros, sendo cinco do Senai/SC. O presidente da Fiesc, Glauco José Côrte, que acompanha o evento de educação, vai participar do 1º Encontro Empresarial Brasil-Emirados Árabes Unidos. A CNI falará sobre o potencial de negócios nos setores de alimentos, bebidas, construção civil, aeronáutica, metalurgia, petróleo e gás, têxtil e tecnologia da informação. Entre 2003 e 2016, os Emirados Árabes Unidos investiram US$ 290,2 bilhões e geraram 473 mil empregos em diversos países. Na foto, Côrte e o senador Cristovam Buarque e Ricardo Ferraço com os estudantes de SC Rafael de Borba (E), Bruno Gruner e Eric da Silva (D). 

SC aprova 12 projetos na CNI

Indústrias catarinenses se saíram bem na seleção de projetos inovadores promovida pela CNI por meio de edital de inovação. Empresas do Estado aprovaram 12 projetos no valor de R$ 7,5 milhões nas áreas de tecnologia, saúde e qualidade de vida do trabalhador. Os projetos com apoio do Senai foram os das empresas Kemia Tratamento de Efluentes, BN Papel, NS Química, Sanvital, Iomerê Indústria de Sucos, Granaço, Biofractal Engenharia, FGM, Due Laser, Treevia Serviços, Pollux e Rogga. 

Bazar do bem no Sul

 Coluna Estela.Crédito: Angeloni, divulgaçãoBazar do bem atrai filaO bazar beneficente promovido pelo Angeloni em Araranguá, rendeu R$ 35.385,00, valor entregue a Edoir Mota, presidente do Lar Beneficente São Vicente de Paulo, que há 38 anos abriga cerca de 40 idosos. As filas para o bazar começaram já na noite anterior, às 22h, os portões foram abertos às 7h e a entrega de senhas começou às 8h.Foto: O presidente do Lar São Vicente de Paulo, Edoir Mota, recebe o cheque das  mãos do gerente da loja do Angeloni de Araranguá, Maikon Jacson Mott e da analista de marketing da Região Sul, Márcia Mroskovski
Foto: Divulgação / Angeloni

O tradicional bazar beneficente da rede Angeloni de Supermercados foi realizado este ano em Araranguá, no Sul do Estado. O interesse pelo evento surpreendeu, com pessoas esperando desde a noite anterior. Centenas de pessoas adquiriram produtos, o que rendeu R$ 35.385, valor que foi entregue a Edoir Mota, presidente do Lar Beneficente São Vicente de Paulo, do município. Segundo ele, a entidade atua há 38 anos no cuidado de idosos e vai investir o recurso em projeto de ampliação com acréscimo de mais oito leitos. O bazar oferece produtos com pequenas avarias das 27 lojas da rede em SC e PR, com descontos que chegam a 70%. 

Indústria 4.0 

O desenvolvimento da indústria 4.0 e Internet das Coisas (IoT) no Brasil vai exigir muitos chips, produtos tecnológicos pequenos mas de grande importância. Por isso será realizado dia 30 de novembro, em Florianópolis, o ChipCon'17. Estão confirmadas palestras de nomes fortes do setor, tanto do Brasil quanto do exterior. Estarão representadas empresas como a Synopsys e ARM, líderes mundiais em semicondutores, Imec da Bélgica, Creative Chips da Alemanha e executivos do BNDES. Inscrições no site: www.chipcon.com.br.

Na Expolages

Maior evento agropecuário da Serra catarinense, a Expolages se encerrou ontem com negócios em torno de R$ 20 milhões. Mais de R$ 2 milhões foram obtidos somente com leilão de animais de diversas raças, informou o presidente da Associação Rural de Lages, Márcio Pamplona. Entre as raças vendidas estavam as europeias, de carne, como angus, devon e hereford. Teve também simental, limousin, charolês e raças zebuínas. 

Tecnologia e conforto

Esta foi a primeira vez que a Expolages contou com acompanhamento via internet dos leilões. Assim, além dos 400 potenciais compradores que participaram ao vivo, mais 200 ou 300 pessoas acompanharam pela web, o que permitiu informar o Brasil e também o exterior. Outra novidade foi o pavilhão totalmente coberto para abrigar os animais que seriam leiloados. A área de 6 mil metros quadrados fez diferença, observou o presidente da Associação Rural, Márcio Pamplona. A entidade investiu R$ 1 milhão na obra. Segundo ele, compensa porque os animais ficam mais belos para observação de compradores. Vale observar que o Parque Conta Dinheiro abriga cerca de 10 exposições de animais por ano, por isso a proteção será bem usada. 

Correção

A rede Studio Z, do grupo Calcenter, de Palhoça, que tem atuação nacional, vai abrir 17 novas lojas este ano e não 19 como saiu em resposta de pergunta na entrevista do fim de semana aqui na coluna. 

Acompanhe as publicações de Estela Benetti




 Veja também
 
 Comente essa história