Santa Catarina perto do 4º lugar em saneamento no país  Jessé Giotti  / Agência RBS/Agência RBS

Foto: Jessé Giotti / Agência RBS / Agência RBS

Se os projetos de investimentos de R$ 2,1 bilhão da Casan, a Companhia Catarinense de Águas e Saneamento, tiverem a continuidade planejada, em cerca de um ano e nove meses o Estado, que em 2011 era um dos patinhos feitos na oferta de esgoto sanitário, apenas na 23ª posição do ranking nacional com 10% de cobertura dos serviços, vai saltar para a 4ª posição, com 49% de tratamento, só atrás de Brasília (66,13%), Paraná (63,73%) e São Paulo) (53,34%).

Em dezembro deste ano, Santa Catarina já vai figurar em 13º lugar, com 28,5% de abrangência, destaca o presidente da companhia, Valter José Gallina. Segundo ele, esse avanço é resultado dos contratos de financiamentos internacionais e nacionais assinados e muita gestão. A companhia conta com dinheiro, projetos e prazos de execução, o que está fazendo as obras saírem do papel e trazendo orgulho aos colaboradores em voltar a expor o crachá, observa ele.

Felizmente, o governo catarinense acordou para a necessidade de investir em saneamento, o que protege a saúde de todos, principalmente das crianças. Estudos mundiais constataram que de cada R$ 1 investido em saneamento, se economiza R$ 4,3 em saúde.  Essa série de investimentos começou forte em 2014, já na gestão de Gallina na empresa, e vai até meados de 2019. Ele ressalta que é o maior volume do mundo investido na área atualmente e o dobro da soma do que o RS e o PR estão destinando ao setor no período. 

- Estamos fazendo tudo isso com um orçamento apertado, mas pagando os financiamentos – diz Gallina, ao observar que a receita avança conforme os usuários passam a pagar pelo novo serviço. 
Das 40 obras programas para o Estado nessa série de investimentos, oito estão concluídas e a maior parte em execução, aquecendo a economia. 

Praia na Beira-Mar Norte
Na próxima sexta-feira a Casan deve lançar a licitação para a obra de despoluição da orla da Avenida Beira-mar Norte, em Florianópolis. O presidente da companhia, Valter Gallina, adianta que pretende dar a ordem de serviço para janeiro do ano que vem. As projeções são de que o projeto será concluído em novembro de 2018 e, três meses depois, em fevereiro de 2019, a orla estará pronta para receber banhistas. A Casan também espera para este mês a autorização para retomar as obras do sistema de esgoto do Campeche, o que vai despoluir a região - inclusive o Riozinho. Todos os projetos da empresa para a Ilha de SC somam R$ 401 milhões. 

Fetrancesc: 30 anos de viagens

 Fetrancesc: 30 anos de viagensFederação das Empresas de TRansporte e Logística de Santa Catarina (Fetrancesc) fez evento para marcar 30 anos de estradas. Reuniu a diretoria e empresários de todo o Estado.Na foto, a atual diretoria.Crédito: Reality Produções, divulgaçãoEsquerda para direita, fila superior:Vice-presidente regional (Criciúma): Lorisvaldo PiucoConselheiros Fiscais: Eduardo Venson e Carlos Augusto da Rosa (estão na ordem esquerda-direita, ao lado do sr. Piuco, que está na ponta).Presidente: Ari Rabaiolli;1º vice-presidente: Dagnor Schneider;1º diretor político-institucional: Vilmar José Rui;Fila de baixo, da esquerda para a direita:Vice-presidente regional (Concórdia): Paulo Simioni;Primeiro diretor financeiro: Wilson Steingraber Júnior;Primeiro diretor secretário: Alex Albert Breier;Presidente de honra do Conselho Superior da Fetrancesc: Irineu Späth;Segundo diretor financeiro: Lenoir Palhano;Presidente do Sindicato das Empresas de Transporte de Carga e Logística de Chapecó (Sitran): Deneraci Perin
Foto: Reality Produções / Divulgação

A experiência acumulada de três décadas no transporte de cargas de Santa Catarina foi comemorada sexta-feira à noite no evento de 30 anos da Federação das Empresas de Transporte e Logística de SC (Fetrancesc). O presidente da entidade, Ari Rabaiolli, destacou conquistas recentes importantes como a aprovação da lei que caça registro empresarial de receptadores de cargas roubadas e a criação de divisão policial para investigar roubos. O evento reuniu lideranças e empresários do setor do Estado. Entre os presentes, o primeiro vice-presidente da Federação das Indústrias (Fiesc) Mario Cezar Aguiar, e o vice-presidente da Federação da Agricultura (Faesc), Enori Barbieri. Aguiar e Rabaiolli mostraram discurso único na defesa de privatização de rodovias e pedágio por quilômetro rodado, mais justo que o atual da BR-101, no qual só 30% dos usuários da rodovia pagam. A Fetrancesc aproveitou o momento histórico para uma foto da diretoria. À frente (E) os empresários Paulo Simioni, Wilson Steingraber Júnior, Alex Breier, Irineu Späth, Lenoir Palhano e Deneraci Perin. Na fila posterior (E) Lorisvaldo Piuco, Eduardo Venson, Carlos Augusto da Rosa, Ari Rabaiolli, Dagnor Schneider e Vilmar Rui. 

Novo marco
Agora, o setor de transporte se concentra nas discussões do novo marco regulatório ao setor, que está sendo elaborado pela Agência Nacional de Transporte Terrestre (ANTT). Conforme o presidente da Fetrancesc, Ari Rabaiolli, a entidade foi a única do país a dar uma série de sugestões. O presidente da Associação Brasileira de Logística, Transportes e Cargas (ABTC), Pedro Lopes, diz que entre as mudanças está o tratamento diferenciado para cargas perigosas e não perigosas. 

Motores eficientes
A partir de amanhã, consumidores interessados na troca de motores elétricos antigos por novos com até 40% de desconto em relação ao preço de mercado podem participar do programa Bônus Eficiente Linha Motores, oferecido pela Celesc. Para isso, é preciso se inscrever no site www.bonusmotor.com.br. A parceria é com  WEG e o investimento total será de R$ 6,5 milhões. Hoje, o presidente da Celesc, Cleverson Siewert, falará mais sobre o assunto. 

Educação global
Os professores são o foco da quinta edição do Seminário Internacional de Educação que a Fiesc realiza quinta-feira. Os palestrantes serão dos EUA, Finlândia (terra do Papai Noel) e Cingapura. O objetivo é aprimorar a formação de professores para que avancem em habilidades como protagonismo, colaboração, empatia, reconhecimento e outras com foco na educação do século 21.

Tecnologia em edifícios
O Grupo Dimas, que há 30 anos atua na construção civil em Florianópolis, se posicionou, nos últimos 10 anos, como empresa que foca tecnologia nas edificações. Também definiu cinco pontos chaves de gestão: desapego, propósito, cliente,  tecnologia e inovação. Esses diferenciais estão permitindo crescer, informa o diretor de novos negócios da Dimas, Fabrício Schveitzer. Um exemplo é o empreendimento D/Garden, lançado semana passada com 30% das unidades vendidas. Com conceito de clube, oferece uma série de serviços incluindo um business Center para moradores que são home office. 

Acompanhe as publicações de Estela Benetti

"Se exigirmos zero resíduo, as empresas terão que atender", diz Tia Kansara

Catarinense é ouro no mundial de educação profissional realizado em Abu Dhabi

Agência catarinense de propaganda vence prêmio da Rede Globo

 Veja também
 
 Comente essa história