Esta é considerada a última semana para os deputados federais votarem a reforma da Previdência, fundamental para equilibrar as contas públicas do Brasil nos próximos anos e gerar novo ciclo de crescimento econômico. Com base em números atuais e projeções, economistas alertam que o dinheiro acabou, sem essa reforma, logo o país vai quebrar, a exemplo da Grécia, que anos atrás entrou em profunda crise e teve que cortar em até 14 vezes os vencimentos de aposentados. No ano passado, a previdência do INSS e das três esferas do setor público consumiu 13% do PIB. 

Os países ricos, em média, gastaram 12,4%. Sem a reforma, nos próximos 10 anos a despesa do Brasil chegará a 20% do PIB. 

Se o país já está quebrado agora, sem os recursos necessários para saúde, educação e segurança, imagine nos próximos anos. 

A reforma proposta estabelece idade mínima para grupos que estão se aposentando cedo e busca redução das desigualdades entre aposentadorias do setor público e privado, o que é justo. Enquanto os 20% mais pobres do país se aposentam com 65 anos, os que ganham bem no setor público podem se aposentar até com apenas 46 anos. A idade média de aposentadoria no Brasil é de 59,4 anos. 

No México é de 72 anos; Chile e Japão, 69; Portugal, 68; e nos Estados Unidos, 65. 

Os deputados são eleitos e pagos com dinheiro do país para defender interesses de todos os brasileiros. Mas é lamentável que um grupo mire apenas a próxima eleição e decida votar contra uma reforma tão necessária. Do alto dos seus salários de R$ 33 mil e benefícios mensais superiores a R$ 100 mil, eles ignoram que milhares de brasileiros têm quase nada. A reforma da Previdência vai permitir o controle das contas públicas nos próximos anos e deve trazer de volta a retomada dos investimentos com mais vigor porque os empresários vão acreditar que o setor público não vai quebrar em breve, gerando nova recessão. Só no Estado, a Investe SC tem dezenas de projetos de investimentos à espera dessa reforma. Os parlamentares precisam ser responsáveis. 

Leia também:

PIB de SC cresce 3,49% em setembro, aponta BC

"Estamos buscando uma estrutura de inovação para nossos negócios", diz Daniel Dimas

Empresa de tecnologia da Capital recebe aporte de R$ 6,5 milhões 

Foto: Arte DC


 Veja também
 
 Comente essa história