O ano novo começa com mudança na tarifa de gás natural em Santa Catarina. A partir de janeiro, o insumo terá um ajuste de 9,10%, em função de uma redução da parcela de recuperação que os consumidores têm direito devido a valores cobrados a mais, apurados na conta gráfica. A decisão é da Aresc, a Agência de Regulação de Serviços Públicos de Santa Catarina e será comunicada no "Diário Oficial do Estado" desta terça-feira. 

A conta gráfica foi adotada pela Aresc este ano para zelar pelo valor justo da tarifa de gás natural ao consumidor. Ela considera o preço do gás natural do Gasbol formado pela cesta de óleos, variação cambial e transporte, mais a margem bruta da concessionária SCGás. Quando os consumidores têm perdas, como ocorreu nos últimos anos, recebem a devolução na tarifa. Se a distribuidora tem perdas, ela também é compensada gradualmente na tarifa. 

Nesse primeiro resultado da conta gráfica, os técnicos da Aresc apuraram que o preço do gás ficou acima do que deveria durante 18 meses em 2015 e 2016. A devolução começou via tarifa ao consumidor no início deste ano, com redução de 24%. Além da parcela de recuperação de 2017, restaram mais R$ 56 milhões para serem devolvidos durante este ano, também via tarifa menor. 

O presidente da Aresc, Reno Caramori, e gerente da instituição, Silvio César Rosa, explicam que essa compensação gradual visa variação menos bruscas nos preços. Se a agência devolver tudo no primeiro semestre, a tarifa teria alta em torno de 20% em julho. Por isso a opção pelo ajuste de 9,1%. 

— Temos que estar sempre cuidando o equilíbrio para não sacrificar nenhum dos lados — afirma  Reno Caramori. 

O preço médio de cada metro cúbico consumido em janeiro ficaria em R$ 0,6700. Com a redução da parcela de recuperação de R$ 0,0595, ficará em 0,6105, informa a Aresc. Depois, conforme o tipo de consumidor — industrial, comercial, residencial ou veicular — há preços específicos que serão informados pela distribuidora SCGás.

A conta gráfica está prevista em lei, mas somente SC e São Paulo adotaram. Devido a esse cálculo e o contrato acessível com o Gasbol, o consumidor catarinense tem a menor tarifa de gás natural do país. Conforme Silvio Rosa, o insumo mais acessível do Gasbol segue até 2020, quando encerra o atual contrato. 

Aresc regula expansão 

 Coluna Estela 19-12-2017: Grupo gestor da Aresc, a Agência de Regulação de Serviços Públicos de Santa Catarina
Foto: Estela Benetti / Diário Catarinense

Além da conta gráfica, que vigia o equilíbrio do preço do gás natural ao mercado catarinense, o conselho gestor da Agência de Regulação de Serviços Públicos de SC (Aresc) toma outras decisões para novos usos do insumo em SC.  Uma resolução, a de número 54, criou o segmento termoelétrico de gás natural do Estado, que conta com dois grandes projetos de usinas térmicas, um em Garuva e outro no Alto Vale do Itajaí. Criou também os segmentos de geração distribuída com geração na ponta, de usuários de matéria-prima para produzir oxigênio, CO2 e outros gases e o sistema de gás canalizado para o projeto estruturante da região de Lages.  Na foto, a partir da direita, o engenheiro Silvio César dos Santos Rosa, gerente da Aresc, o presidente Reno Caramori, e os engenheiros Marnio Sebastião Graciosa, Ricardo Cesconetto dos Santos e Nilton Sá Junior, que são servidores da agência. 

Acompanhe as publicações de Estela Benetti

Leia também: 

 Indústria está otimista para 2018, mas riscos políticos preocupam 

 Empresa catarinense desenvolve sistema de recarga rápida para veículos elétricos

 Cade multa associação de centros atacadistas de Indaial


 Veja também
 
 Comente essa história