O perfil de um reitor injustiçado Henrique Almeida/Agecom/UFSC

Foto: Henrique Almeida / Agecom/UFSC

Filho de família humilde de Tubarão, o professor Luiz Carlos Cancellier de Olivo percorreu com ética, dedicação ao Direito e à Justiça, exercício pleno do diálogo, exemplar tolerância, muito estudo e trabalho, a carreira brilhante que culminou com sua eleição para a Reitoria da UFSC.

No início da carreira foi jornalista modelar, como atestaram o ex-prefeito Miguel Ximenes, o ex-senador Nelson Wedekin e o vice-governador Eduardo Pinho Moreira. Promoveu Tubarão com competência profissional na gestão Ximenes; prestou assessoria qualificada à bancada catarinense durante a Constituinte como assessor de Wedekin em Brasília.

Retornando a Florianópolis encontrou na formação em Direito o caminho ideal para multiplicar contribuição às liberdades, aos direitos e à democracia. Fez graduação, mestrado e doutorado. Nomeado professor por concurso, destacou-se entre os colegas, que o elegeram chefe do departamento. Por méritos foi escolhido diretor do Centro de Ciências Jurídicas. Vivia dentro da universidade e o tempo de lazer preenchia circulando pelo campus, conversando com professores, servidores e alunos. De dia e de noite. Com estilo conciliador, paciente e calmo, disputou a Reitoria com outros candidatos e venceu no segundo turno.

Publicou vários livros de direito, incentivou coletivas a edições múltiplas. Integrava o Grupo Internacional Direito e Literatura.

No dia 14 de setembro, foi preso pela Polícia Federal às 6h em seu apartamento. Prestou depoimento de cinco horas sobre obstrução de Justiça. Ninguém o acusou de desvio, de corrupção. Em entrevista coletiva, a Polícia Federal citou investigações sobre desvios de R$ 350 mil, revelando que o programa ensino a distância, desde 2006, totalizou R$ 80 milhões. Foi transferido com outras seis pessoas para a penitenciária, ala de segurança, algemado, uniformizado com traje amarelo e submetido a vistoria íntima. Membro de duas bancas no pós-graduação em Direito da UFSC, requereu o direito de retornar ao campus.

A juíza Janaina Cassol Machado, da 1ª Vara Federal, autorizou que permanecesse no campus apenas entre 15h e 17h30min sob pena de prisão. Amigos dizem que foi a gota d’água da monumental humilhação.

Sua trágica morte abalou Florianópolis, provocou grande comoção em Santa Catarina, repercutiu intensamente no Congresso Nacional e explodiu nas redes sociais em vários países.

Cao, "o reitor de R$ 80 milhões", para setores da mídia nacional, tinha um patrimônio franciscano: um pequeno apartamento de dois quartos na Carvoeira, ao lado da UFSC.

Vale cultural
Dezenas de palestras, painéis, conversas, contação de históricas, espetáculos musicais e artísticos, lançamento de livros, marcam a Feira do Livro de Rio do Sul, que se encerra neste fim de semana. O evento envolveu os meios acadêmicos e parte da população, com ampla e moderna comunicação visual no Parque Universitário da Unidavi e no centro da cidade. Iniciativa da fundação Cultural e organização da promotora Sueli Brandão (C), na foto com o escritor Deonisio da Silva (E) e o prefeito José Thomé(D).

Dezenas de palestras, painéis, conversas, contação de históricas, espetáculos musicais e artísticos, lançamento de livros, marcam a Feira do Livro de Rio do Sul, que se encerra neste fim de semana. O evento envolveu os meios acadêmicos e parte da população, com ampla e moderna comunicação visual no Parque Universitário da Unidavi e no centro da cidade. Iniciativa da fundação Cultural e organização da promotora Sueli Brandão (C), na foto com o escritor Deonisio da Silva (E) e o prefeito José Thomé(D).
Foto: Divulgação / Divulgação

Ponte
A Associação Catarinense de Engenheiros promoverá na segunda-feira, a partir das 9h30min, uma exposição sobre a delicada operação de transferência de carga do vão central da ponte Hercílio Luz. Serão apresentados dados técnicos sobre detalhes da operação pelos engenheiros catarinenses e equipe da empreiteira Teixeira Duarte.

JBS fecha
Lideranças políticas, empresariais e de trabalhadores estão mobilizadas no Sul do Estado contra o fechamento da unidade da JBS em Morro Grande. O encerramento está confirmado para o dia 11 de outubro. Naquele dia haverá um protesto público reunindo prefeitos, empregados e parlamentares. Segundo os prefeitos, há quatro grupos de investidores interessados em comprar o frigorífico, "mas a JBS só cria dificuldades."

Congelamento
Projeto de lei governamental que prevê alongamento da dívida pública de Santa Catarina junto ao governo federal, com redução de juros, está provocando reações na Assembleia e nos demais poderes. Motivo: a matéria congelará por dois anos todas as despesas de custeio, admitida apenas a correção pela inflação. O líder do governo, Darci de Matos (PSD), já se reuniu com o Tribunal de Justiça e Ministério Público para tratar do delicado projeto.

Acompanhe as publicações de Moacir Pereira

Início das festas de outubro no Vale do Itajaí terá protesto pela duplicação da BR-470

O fundo eleitoral da vergonha

Deputada Ana Paula Lima presta homenagem ao reitor da UFSC na Alesc

 Veja também
 
 Comente essa história