Senador Roberto Requião sugere nome do reitor Cancellier para lei de abuso de autoridade Diorgenes Pandini/Diário Catarinense

Foto: Diorgenes Pandini / Diário Catarinense

O senador Roberto Requião (PMDB-PR), batizou com o nome do reitor Luiz Carlos Cancellier a lei que pune o abuso de autoridade, aprovada no Senado e em tramitação na Câmara Federal. Justificou a proposta dizendo que fazia homenagem póstuma ao reitor da UFSC, falecido há uma semana, depois de preso pela Policia Federal. A informação foi publicada no blog do Esmael e veiculada pela Revista Fórum.

- Deus meu, que a morte do reitor Cancellier seja o freio das arbitrariedades e do excesso das corporações que agem à margem da lei. Amém! - afirmou hoje o senador peemedebista.

A revista assinala:

Requião lembrou que viu com bons olhos início e os resultados da Lava Jato. No entanto, ressaltou não poder aceitar a seletividade e o arbítrio que tomou a força-tarefa. "Vejo com horror declaração pública de corporações a favor da estúpida repressão ao reitor Cancellier", criticou o parlamentar, ao referir-se à nota conjunta de procuradores defendendo a ação da PF.

"Lei Cancellier contra abuso de autoridade. Vota Câmara Federal!", pede o senador Roberto Requião, que relatou o projeto já aprovado pelo Senado. A revolta contra o abuso de autoridade ganhou mais evidência quando surgiu a informação de que a PF negou apoio espiritual de padres ao reitor antes do suicídio.

Segundo o padre William Barbosa Vianna, ele e outro religioso foram impedidos ao menos quatro vezes pela Polícia Federal de oferecer apoio ao reitor, que foi preso, algemado nu, submetido a exame interno vexatório e encarcerado sem processo judicial.

Tramitando na Câmara desde o dia 10 de maio último, o Projeto de Lei 7596/17, do Senado, define os crimes de abuso de autoridade cometidos por servidores públicos e membros dos três poderes da República, do Ministério Público, dos tribunais e conselhos de contas e das Forças Armadas.

Acompanhe as publicações de Moacir Pereira

Ministro do STF quer apuração sobre morte do reitor da UFSC

"Estão fazendo terrorismo de Estado em nome da Justiça", diz desembargador

O perfil de um reitor injustiçado


 Veja também
 
 Comente essa história