Acaba o prazo para a manutenção das pontes Pedro Ivo e Colombo Salles Charles Guerra/Agencia RBS

A Colombo Salles foi inaugurada em 1975 e a Pedro Ivo em 1991 e nunca passaram por uma grande reforma

Foto: Charles Guerra / Agencia RBS

Venceu na última semana, dia 30 de setembro, o prazo firmado em acordo entre o Deinfra e o Ministério Público Estadual para que o Estado tirasse do papel o plano de manutenção completo das Pontes Pedro Ivo e Colombo Salles, orçado em R$ 70 milhões. Diante do não cumprimento, o MP pediu ontem (05) à Justiça a aplicação de multa diária de R$ 50 mil, além da imediata publicação de edital para contratação de empresa responsável pelos trabalhos. O acerto foi oficializado em junho, dando 90 dias para o governo se mexer.

Deinfra prevê ações diante de eventual colapso da Ponte Hercílio Luz

Para o promotor de Justiça Daniel Paladino, que acompanha o processo, o Estado estava ciente da responsabilidade, tanto que aceitou os termos. Em sua petição à Justiça, Paladino lembrou o risco que a demora na manutenção provoque situação similar à da Hercílio Luz, interditada há 33 anos. A Colombo Salles foi inaugurada em 1975 e a Pedro Ivo em 1991 e nunca passaram por uma grande reforma. 

Wanderley Agostini, presidente do Deinfra, garante que o projeto está pronto, aguardando apenas e liberação dos recursos por parte do Grupo Gestor do Centro Administrativo.

Os portugueses da Empa pediram cerca de R$ 300 milhões para deixar a Hercílio Luz novinha em folha até 2018. Somados aos R$ 70 milhões da Colombo Salles e da Pedro Ivo, chega-se à bagatela de R$ 370 milhões para manutenção de apenas três pontes.

Se a etapa da obra batizada de “ponte segura” na Hercílio Luz está pronta, pra que mais um contrato emergencial de R$ 11 milhões e cinco meses de trabalho?
DIÁRIO CATARINENSE
 DC Recomenda
 
 Comente essa história