Consultora de moda fala sobre consumo consciente: ser sustentável faz maravilhas para o bolso e o planeta Estúdio Reversa/Divulgação

Foto: Estúdio Reversa / Divulgação

Muita gente tem preguiça do tema sustentabilidade na moda porque imagina que isso se resume a usar roupas com malhas produzidas a partir da reciclagem de garrafas pet” – o assunto, segundo a consultora de estilo e blogueira Josane Muriel, vai muito além disso. Ela, que realiza no dia 29 a palestra Sustentabilidade na Moda da Vida Real, dentro programação da Semana Lixo Zero em Joinville, respondeu a três perguntas sobre o assunto para a coluna. 

Fala-se muito em guarda-roupa sustentável mas ao mesmo tempo as redes de fast fashion seguem chegando ao Brasil. Não é uma contradição?


Não vejo exatamente como uma contradição, porque a moda sempre teve foco muito grande no comercial para gerar lucros e, nesse sentido, as fast fashions são imbatíveis. É moda atual e acessível, o que gera muito desejo.A questão é que a sustentabilidade, apesar de ser um tema bastante atual, ainda não recebeu a devida atenção da sociedade. Para muitos, a palavra de ordem é consumir, ter, e, muitas vezes, sem medidas. O que, sem dúvida, gera desperdício e impacto ambiental.


Existem questionamentos sobre o posicionamento dito ecológico de determinadas marcas, como o consumidor pode se informar e saber de fato se os processos de produção são sustentáveis?


As marcas que são sustentáveis de fato são muito transparentes e fazem questão de informar o consumidor sobre seus processos, informando as origens, fornecedores, procedência das matérias-primas etc. Quando o trabalho é feito com seriedade é facilmente identificável.


Tens exemplos de boas práticas na indústria da moda?


Temos ótimos exemplos: o Grupo Malwee, que é catarinense, tem em seus valores o cuidado com o meio ambiente e o consumo consciente. A marca criou o plano 2020, que tem como meta quantificar o impacto ambiental de 100% dos produtos e alcançar 70% dos modelos produzidos utilizando matérias-primas ou processos que contribuam para o desenvolvimento sustentável, além de outras ações nesse sentido.A Osklen também tem viés sustentável muito forte e sempre procura matérias-primas alternativas que gerem menor impacto ambiental.A Stella McCartney também é um ótimo exemplo. A marca levou o tema da sustentabilidade para o primeiro escalão da moda mundial, o que certamente significou um grande impulso para que o assunto ganhasse mais visibilidade – e consequentemente, mais adeptos.


Você trabalha com moda e gerando desejos de moda nas consumidoras. como ser sustentável nesse papel?


Muita gente tem preguiça do tema “sustentabilidade” na moda porque imagina que isso se resume em usar roupas com malhas produzidas a partir da reciclagem de garrafas pet. No entanto, o assunto vai muito além.Ser sustentável na moda é, acima de tudo, consumir com consciência e é isso que oriento minhas clientes a fazer. Saber o que comprar, quando comprar, quanto pagar e procurar peças com qualidade, que façam o seu custo-benefício realmente valerem a pena. Procuro destacar que um guarda-roupa esperto é aquele em que tudo se conversa, em que as peças possam ser usadas de várias formas e que seja compacto.


Você já sente uma mudança de mentalidade nas clientes e leitoras?


Sim, felizmente. Um exemplo são os brechós, que estão se tornando mais comuns e partem da iniciativa de mulheres dispostas a vender as roupas que não estão mais sendo usadas por elas – prolongando muito mais a vida útil dessas peças. Hoje em dia, é totalmente antiquado manter em casa um guarda-roupa lotado de roupas que não são mais usadas.


Cada vez mais as pessoas estão querendo praticidade na hora de se vestir, buscando uma imagem interessante, que não dependa de um guarda-roupa lotado e compras impulsivas, baseadas somente nas tendências, deixando de lado o estilo pessoal. Percebo que a busca agora é por mais qualidade, por peças que vão durar muitos anos e não demandem compras frequentes. E esse comportamento, além de ser sustentável para o planeta, faz maravilhas para o bolso e, em tempos de crise, essa postura vale ouro!

 Veja também
 
 Comente essa história