Cura do câncer de mama em SC chega a 86% Divulgação/Divulgação

Foto: Divulgação / Divulgação

No mês de conscientização sobre a prevenção do câncer de mama e do Movimento Outubro Rosa, o Centro de Pesquisas Oncológicas (Cepon) destaca índice de 86% de cura entre suas pacientes. Patamar equiparado ao de países como Inglaterra e Estados Unidos. Registros do Instituto Nacional do Câncer (Inca) revelam ser o câncer de mama o tipo mais comum da doença entre as mulheres no mundo e no Brasil, respondendo por cerca de 25% de casos novos a cada ano. A instituição projeta para 2015 o surgimento de 57.120 novos casos no país.

 A estatística mais pessimista, de acordo com a médica Maria Tereza Evangelista Schoeller, uma em cada quatro mulheres pode ter câncer de mama. “É uma doença extremamente prevalente. Por isso, é fundamental consultar o ginecologista e fazer o exame das mamas”.

No Cepon, 1.385 mulheres estão em tratamento (recebendo medicação e realizando pequenos procedimentos). Outras 1.415 fazem acompanhamento de rotina por meio de avaliações contínuas que podem ser semestrais ou anuais. Somente após cinco anos sem nenhuma evidência da doença a cura é considerada e as chances de recidiva tornam-se muito pequenas.

O Outubro Rosa propõe justamente uma reflexão sobre importância da prevenção do câncer de mama. De acordo com o Inca, a doença é muito rara antes dos 35 anos, acima dessa idade sua incidência cresce progressivamente, especialmente após os 50 anos. “Por isso, a recomendação do Ministério da Saúde é que a mamografia deve ser feita a cada dois anos a partir dos 50 até os 69 anos, pelo menos”, lembra o chefe da Oncologia do Cepon, Marcelo Freitas. O médico reforça que o auto-exame faz parte do cuidado da mulher, mas o exame clínico é essencial.

Leia as últimas notícias

DIÁRIO CATARINENSE
 Veja também
 
 Comente essa história