Conversamos na esquina da Trajano com Felipe Schmidt, ao abrigo de um guarda-chuva emprestado pelo lendário senador Alcides Ferreira. Caía a tarde e uma chuvinha fazia rebrilhar miríades de gotas d’água sobre a ilustre carapinha do poeta. Dobrei-me, reverente, diante do príncipe do Simbolismo e saudei o poeta com uma de suas aliterações mais brilhantes que os pingos da chuva:

— Vozes veladas, veludadas vozes te saúdam, ó sinfônico poeta!

Cruz e Sousa estava aureolado pela luz iridescente dos seres evoluídos, já não sentia a dor da tuberculose e do preconceito, o sofrimento da vida aos poucos lhe foi recompensado pelo repouso da morte e pela elevação do espírito.

O poeta já não sentia a hostilidade da usura daqueles que não lhe perdoavam as dívidas, mesmo as “magras”, como ele próprio.

Telefonou (simbolicamente, como convém a um Simbolista) aos seus colegas do Primeiro Mundo, o alemão Stefan George, o francês maldito Baudelaire, o excêntrico parisiense Mallarmé. Contou-lhes do sofrimento da crise brasileira, que sucede a americana e a europeia. Mas é aqui que a pobreza sofre mais.

Ao Baudelaire de “As Flores do Mal”, perguntou:

— A quem essa crise está afetando aí na França?

O velho e renegado Charles não negou fogo. Dardejou, com desprezo, instituições e autoridades:

— Aqui, eles só estão dando dinheiro pra banqueiro!

Cruz persignou-se, dirigiu-se aos outros dois colegas do Simbolismo:

— E aí na Alemanha?

Stefan George confirmou:

— Aqui na capital do Euro já liberaram 2,5 trilhões pra calafetar os bancos!

Mallarmé disse que em suas “Divagações” já alertara sobre a degradação da espécie humana: “Estamos perdidos”. E Baudelaire ainda ligou para Edgar Allan Poe, a fim de saber o que diziam os “seus corvos”. O prosador de “Os assassinatos da Rua Morgue” tomou um absinto antes de responder:

— Aqui, Obama e seus espiões já puseram nos bancos US$ 5 trilhões e a conta não para de subir!

O Simbolista voltou ao nosso mundo, à esquina da Trajano com Felipe, e deixou escapar uma lágrima que lhe desceu a face, até desaparecer sob o colarinho duplo. 

---

— Vês, meu amigo? Os pobres continuam contando apenas com a mãe-natureza, não é mesmo? Um décimo desse dinheiro todo daria pra erradicar toda a pobreza da face da Terra!

A chuva parou. Lágrimas, só nos olhos do poeta...
DIÁRIO CATARINENSE
 Veja também
 
 Comente essa história