Seguidamente saio de casa e logo depois começo a pensar: será que tranquei a porta? Ou, então, pego o vidro do remédio que tomo todas as manhãs e minutos depois não sei se já tomei o comprimido ou não. No shopping, não foi uma nem duas vezes que perdi o carro, sem ter nem ideia de onde havia estacionado. Senhas, então, esqueço com a maior facilidade. Esses lapsos de memória são muito frequentes, me deixando em dúvida (e irritada). Será normal, apenas distração, ou já estou passando dos limites? Pode ser algo mais sério?

Acompanhe as colunas de Viviane Bevilacqua

O neurologista Renato Anghinah, da Academia Brasileira de Neurologia, explica que é absolutamente normal  ter alguns bloqueios de memória, ainda mais quando temos uma rotina cheia de afazeres. Mas quando essas falhas passam a ser frequentes e começam a atrapalhar as atividades do dia a dia, é hora de procurar um médico para uma avaliação mais profunda. Segundo ele, os fatores mais comuns para estes pequenos esquecimentos são sobrecarga de trabalho, estresse e distúrbio do sono _ isso se não estiverem associados a doenças como Alzheimer e depressão.

O neurologista diz que embora sempre relacionemos estes lapsos de memória ao processo de envelhecimento, eles podem acontecer em qualquer idade. Muitas vezes são causados por  excesso de compromissos, correria no dia a dia, noites mal dormidas, problemas carenciais, metabólicos, hormonais e estados depressivos. A boa notícia é que é possível evitar esse quadro, e isso em qualquer estágio da vida. Segundo Anghinah, o melhor meio é a prevenção, tendo uma rotina mais saudável e menos estressante, com uma jornada de trabalho adequada,  o cumprimento das horas de sono necessárias, exercícios físicos e uma alimentação balanceada.

Nos casos das pessoas que têm falhas de memória causadas por doenças como o Alzheimer ou a depressão, o neurologista afirma que é possível ter uma melhora na qualidade de vida.  É preciso, em todos os casos, ir atrás do diagnóstico e buscar uma melhora, já que são doenças tratáveis. Outro aliado importante no combate às falhas de memória é o uso lúdico da mente, seja por meio de leitura e de jogos como sudoku ou ábaco, além da velha e boa palavras cruzadas.

Leia as últimas notícias do Diário Catarinense


 Veja também
 
 Comente essa história