Projeto Identidade Cidadã levará os cartórios para dentro do sistema prisional Daniel Conzi/Agencia RBS

Foto: Daniel Conzi / Agencia RBS

Uma reunião dá a largada para a implantação em Santa Catarina do Projeto Identidade Cidadã, que vai levar os cartórios para dentro sistema prisional e coletar informações para a emissão de documentos básicos dos apenados, como a certidão de nascimento. O programa já ocorre em 16 Estados e ganhou adesão da Associação dos Notários e Registradores de Santa Catarina (Anoreg/SC), que discute nesta terça as primeiras orientações. O número de presos sem qualquer documento pessoal é enorme: chega a 91,33% dos detentos, segundo pesquisa do Departamento Penitenciário Nacional (Depen) feita em 2016 em 1.331 estabelecimentos penais do Brasil.

Enquanto isso...
Em encontro de uniformização de procedimentos no último sábado, a entidade também orientou os registradores a aceitar declaração em papel do apenado para o reconhecimento de paternidade na certidão do filho, evitando a burocracia de mover aparato policial para levá-lo pessoalmente ao cartório, o que dificulta e atrasa o registro.

Vozes da Capital
Florianópolis irá receber a 3ª Mostra de Corais de Florianópolis, que ocorrerá nos dias 18 e 19 de novembro, no Teatro Governador Pedro Ivo. Podem participar formações vocais do Brasil e do exterior, de todas as faixas etárias e gêneros musicais. A última edição recebeu cantores de quatro Estados e do Distrito Federal. Para a próxima já há inscritos até da Argentina. Na foto, Corais Flex e da Orquestra Sinfônica de Lages se apresentaram em 2016.

A propósito
Quando é que a Polícia Militar de Santa Catarina dará adeus de vez ao velho sistema de radiocomunicação analógico?

Não é brincadeira
Morador do João Paulo escreve à coluna para relatar que o episódio das pipas, que gerou interrupção de energia no bairro no último domingo, é um problema mais grave de que uma simples brincadeira. Segundo ele, há pelo menos duas semanas o fato vem ocorrendo. Estranhamente, diz ele, algumas dessas pessoas estão vindo de outros municípios, com carros e motos e se postam à frente das casas, empinando as pipas, umas cortando os fios das outras, as quais caem dentro dos quintais. Então invadem os quintais em hordas, a toda hora, apossam-se do que estiver a seus alcances, vassouras, canos de PVC, o que lhes interessar, para resgatarem as pipas.

Acompanhe as últimas publicações de Rafael Martini 

Obra da ponte do Canal da Barra mobiliza Estado e até pescadores em Florianópolis

Vantagem da democracia é permitir livre manifestação, mesmo que esdrúxula

Após morte de bebê em Mafra, Samu vai mudar de gestão em SC

 Veja também
 
 Comente essa história