Desembargadora se pronuncia sobre chance de não participar da eleição no TJ-SC Julio Cavalheiro/Agencia RBS

Foto: Julio Cavalheiro / Agencia RBS

A desembargadora Maria do Rocio Santa Ritta já respondeu aos termos da impugnação lançada contra sua candidatura pelo colega e concorrente desembargador Alexandre d'Ivanenko publicada nesta quinta nesta coluna. Em documento encaminhado ao presidente da corte estadual, a magistrada classifica a peça impugnatória como de natureza politicamente incorreta. "Não posso pensar diferente, porquanto são 32 anos de carreira (...) sem qualquer mácula, registro negativo ou desabonador", garante. 

Rocio não vê óbice em participar da disputa e afirma que impedimentos e suspeições, por ser esposa do desembargador Cesar Abreu, ficam restritos aos processos judiciais e administrativos, nunca referentes a participação política institucional. Por fim, voltou a reiterar crença de que ato regimental não se sobrepõe à Constituição para defender a candidatura tão somente dos magistrados mais antigos.

Enquanto isso
O desembargador Cesar Abreu, um dos candidatos à presidência da corte e marido da desembargadora, formalizou nesta quinta junto ao STF uma reclamação contra a norma regimental que permite a todos os desembargadores se candidatarem ao cargo de presidente do TJSC. Na semana passada, quando a coluna tratou sobre o excesso de magistrados candidatos (sete), já havia antecipado o risco de que a disputa fosse parar no STF.  O recurso à corte suprema foi publicada no site JusCatarina. Será, sem dúvida, a eleição mais disputada nos bastidores do Judiciário catarinense.

Novo endereço
Neste fim de semana o DC estreia sua superedição. Entre as mudanças, esta coluna deixa de ser publicada na página 2 aos sábados e domingos e passa a integrar o caderno Ponto a Ponto, com os colunistas das demais regiões. Nas edições de segunda a sexta ela volta a ocupar as páginas 2 e 3 juntamente com os colegas Upiara Boschi, Carolina Bahia e Zé Dassilva

Contraponto
Assessoria do Sindicato do Comércio Varejista de Combustíveis de Florianópolis envia nota à coluna sobre a abertura e novos postos: a realidade do mercado mostra que nos últimos dois anos 19 postos de combustíveis fecharam na Grande Florianópolis. Nos últimos três anos, apenas um novo foi aberto, o que revela uma retração no segmento. Os dados são do Sindicato do Comércio Varejista de Combustíveis Minerais de Florianópolis. De acordo com o presidente do Sindópolis, Valmir Espíndola, a entidade tem mostrado aos consumidores que o preço final depende do quanto os postos pagam pelo combustível nas distribuidoras e que, com qualquer empresa, precisam manter uma margem mínima de lucro.

Contrastes da serra
A tradição e a modernidade de Lages, sede dos 57º Jogos Abertos, presentes na imagem capturada no Morro do Posto. Os Jasc se encerram neste fim de semana.

Acompanhe as últimas publicações de Rafael Martini

João Rodrigues explica antiga gravação que viralizou nas redes sociais

Por ser casada com outro candidato, desembargadora pode ficar de fora de eleições no TJ-SC

Vândalos colocam fogo em banheiros e furtam terminal abandonado de Florianópolis



 Veja também
 
 Comente essa história