Doença de ladrão Genaro Joner/Agencia RBS

Foto: Genaro Joner / Agencia RBS

O corrupto veio se arrastando, amparado por um andador. Interessante: corruptos apanhados com a boca na botija imediatamente ficam doentes. E se amparam em bengalas, cadeiras de rodas, andadores, marca-passos. Como se a "mão leve" conduzisse a uma espécie de hemiplegia. Usou a mão pra roubar, perde o pé, ou o joelho, pra caminhar. Pior: ganha um aneurisma.

Trampolineiros presos logo adquirem doenças que reclamam muitos cuidados. Como se a gravidade dessas enfermidades lhes garantisse a suprema indulgência e a plena impunidade.

Quem era um ladrão arisco e saudável passa, por encanto, a se mostrar um inválido – e logo vai pedindo liberdade por motivo de saúde, regalias no cárcere ou prisão domiciliar. O ladravaz nem se lembra mais dos tempos de campanha, em que prometia honestidade e honradez:

– Quero me dedicar inteiramente à tarefa de cumprir, como governador, todos os compromissos e metas assumidos no meu programa de governo. Como cidadão, vou lutar pela mudança definitiva de certos usos e costumes da política brasileira...

Se fosse num daqueles programas de piadas prontas, apresentadas a uma plateia robotizada, logo se ouviriam as palmas e as gargalhadas gravadas.

Na verdade, estava pouco se lixando para as suas metas de governo. O que queria mesmo era "se forrar". Agora, descoberto, pretende trocar a cadeia por uma cama king size, de preferência em casa.

Afinal, haverá prisão mais adequada, humana, limpa e asseada do que a prisão domiciliar? É tão perfeita que já vem com tudo: casa, comida e roupa lavada. Nem será preciso a tal "visita íntima". A mulherzinha querida estará sempre lá, à disposição. 

                                                                    ***

No Palácio, povoado de urubus e salpicado pelo esterco da imoralidade, o Patriarca de Gabriel García Márquez – proverbial exemplo de "corrupto" vitalício – combina a resistência com os seus secretários desonestos:

– Nessas últimas semanas vivo este triste cenário de acusações e calúnias políticas, ressuscitando fatos que ocorreram há dezenas de anos e que agora aparecem como se tivessem acabado de acontecer...

O Patriarca é partidário da prescrição de todos os crimes, aí incluído, é claro, a aceitação de propina e a apropriação de dinheiro público.

                                                         ***  

Mão-boba é doença grave. Tão grave quanto um aneurisma. E segundo a medicina legal dos larápios, um doente só se recupera em casa, cercado de carinho e amor.

Acompanhe as colunas de Sérgio da Costa Ramos

Escolha a sua máscara

Ficou mais difícil

Macondo e Brasília


 Veja também
 
 Comente essa história