Fiel a seu estilo, Colombo decide deixar governo aos poucos  Simone Sartori / Divulgação/Divulgação

Colombo e Pinho Moreira no almoço para jornalistas na Casa d'Agronômica nesta quarta-feira, quando anunciaram transição

Foto: Simone Sartori / Divulgação / Divulgação

Poucas coisas são tão difíceis na política catarinense quanto emparedar Raimundo Colombo (PSD). Diante da pressão colocada pelo PMDB do vice Eduardo Pinho Moreira e pelo PSD do pré-candidato Gelson Merisio para que ele deixasse o governo em janeiro ou abril do ano que vem, o governador mostrou mais uma vez essa habilidade. 

Aos jornalistas convidados para um almoço na Casa d’Agronômica nesta quarta-feira, Colombo anunciou “início de transição” no final de janeiro, licença para fazer um curso na Espanha na metade de fevereiro e a renúncia em si em abril - data-limite para ficar apto a concorrer ao Senado. Um meio-termo para as posições extremas de Pinho Moreira e Merisio, bem ao estilo do lageano. 

Na prática, a transição já começou. Colombo já discute com o vice peemedebista as questões relativas ao orçamento e outras medidas financeiras que tenham impacto em 2018. Na semana passada, Moreira acompanhou o governador nas agendas com o presidente Michel Temer (PMDB) e o ministro Henrique Meirelles (PSD). 

Agora, devem acelerar a composição do futuro secretariado. Não é segredo para ninguém no Centro Administrativo que o secretário Nelson Serpa (PSD), da Casa Civil, desejava deixar a pasta antes da renúncia de Colombo. Extremamente leal ao governador, ele foi se deixando convencer a ficar. Sua saída, possivelmente no final de janeiro, deve ser a senha para a reforma no secretariado que o deixe mais parecido com um governo Pinho Moreira. 

O peemedebista deixa claro que assimilou bem a solução dada por Colombo. Parou de mandar recados de que também poderia renunciar e concorrer ao Senado ou deputado federal, por exemplo. Passou a falar abertamente como futuro governador. 

A expectativa está agora na reação de Merisio. Semana passada, ele sinalizava que poderia criar empecilhos na Assembleia Legislativa a uma possível licença de Colombo - considerando que a saída por mais de 15 dias precisa de autorização dos deputados estaduais. Ontem, Colombo disse que acha legítimo que o correligionário tenha posições diferentes das dele e do governo. Considera, porém, um “absurdo” e falta de “bom senso” acreditar que o parlamento possa lhe negar uma licença depois de sete anos no governo.

Leia outras colunas de Upiara Boschi

Fim da paciência
Líder do governo na Assembleia, Darci de Matos (PSD) já foi avisado que será destituído da função se continuar atuando contra os interesses do Centro Administrativo. O parlamentar tem aceitado emendas a projetos que garantem benefícios salariais e gratificações a servidores.

 Veja também
 
 Comente essa história