Foto: Divulgação

Eu tenho que terminar aquele trabalho para a aula, mas como é para entregar só na segunda, faço no domingo. Preciso ligar para a minha avó, mas amanhã eu faço isso. Meu quarto está uma bagunça. Qualquer dia vou arrumar. Preciso pagar aquela conta que está vencendo, vou ver se esta semana consigo um tempinho pra ir ao banco. Você é assim, fica  empurrando com a barriga, deixando tudo para o último minuto do último prazo? Cuidado, você pode sofrer de PAG - Procrastinação Aguda Grave, um problema que atinge milhares de pessoas, que não conseguem se organizar para cumprir todas as suas tarefas dentro do prazo estabelecido. Deixam tudo para amanhã, e este amanhã nunca chega.                            

Acompanhe as colunas de Viviane Bevilacqua

Esse comportamento pode ser muito prejudicial ao longo do tempo, pois gera ansiedade, frustração, uma coleção desculpas e mentiras, explica a coach Shai Porto. Geralmente o hábito de procrastinar surge inocentemente, ainda na infância ou na adolescência, quando a pessoa vai ''enrolando'' para não fazer uma atividade que considera chata ou difícil. Os pais costumam ser condescendentes (se não iguais), deixando, por exemplo, o filho fazer os deveres de casa na hora em que já deveria estar dormindo, ou fazer um trabalho da aula quase na hora de entregar, e coisas do tipo. Assim, quem tem este comportamento acaba criando um hábito que levará para toda a vida, podendo lhe causar muitos problemas e frustrações.

Shai Porto conta a história de um cliente, um advogado competente, mas que tem PAG. Ele não consegue organizar sua agenda, deixa todos os prazos para o último dia e, embora esteja sempre preocupado e estressado com os compromissos, não consegue parar um tempo, sentar e se planejar. Geralmente, para sair deste estado, a pessoa precisa de muita força de vontade e em alguns casos até de ajuda externa, diz a coach. Uma dica básica para quem sofre deste mal é escrever uma lista com tudo o que tem que fazer e estabelecer prazos curtos para realizar, pois eles vão impedir a afobação de deixar para a última hora. E cumprir o que colocou na lista. ''Não é simples mudar um hábito, mas é perfeitamente possível e gratificante. É como se uma bola de ferro saísse dos seus pés e você se visse livre e em paz'', finaliza a especialista.                          

Leia as últimas notícias do Diário Catarinense

 

 Veja também
 
 Comente essa história