Foto: Divulgação

Existe um movimento global chamado Liter of Light (Litro de Luz), que foi criado em 2011. Atualmente, a ONG está presente em  21 países e já impactou a vida de milhões de pessoas, além de ter recebido importantes premiações como o World Habitat Awards 2015, da ONU, e o Zayed Energy Prize, considerado o prêmio Nobel de Energia Sustentável. E o que eles fazem? Vejam só que interessante: Os voluntários desenvolvem soluções ecológicas e economicamente sustentáveis para combater a falta de iluminação elétrica em comunidades carentes ou isoladas, nos quatro cantos do mundo.

Acompanhe as colunas de Viviane Bevilacqua

Aqui no Brasil, as ações da organização estão presentes em todas as regiões, já tendo beneficiado mais de seis mil pessoas. O sistema utilizado para iluminar as comunidades é muito original, econômico e acessível, e foi criado por um brasileiro chamado Alfredo Moser, em 2002, e usado pela primeira vez por ele lá nas Filipinas. Funciona assim: são instalados postes improvisados, feitos com canos de PVC, munidos de iluminação criada com garrafas recicladas e pequenas placas de energia solar. A placa capta a energia durante o dia e, por meio de um processo químico, a transfere para um circuito dentro da garrafa (que contém água e alvejante),  gerando a luz. Mais de 400 postes e lâmpadas domésticas já foram instalados. Além de dar segurança às pessoas, o projeto contribui para a sociabilização da comunidade e também na educação, já que com a luz as pessoas também podem estudar à noite.

Segundo Laís Higashi, presidente da Litro de Luz, a Ong conta atualmente com cerca de  150 voluntários entre São Paulo, Rio de Janeiro, Brasília, Campina Grande, Manaus e Florianópolis. A sede fica em São Paulo. Uma equipe é responsável pelas demandas e análises das comunidades que serão atendidas. Depois disso, há o contato e o treinamento com os moradores locais, que também participam do projeto, explica ela.

Semana passada, a Ong levou iluminação à comunidade indígena de Morro dos Cavalos, localizada em Palhoça, na Grande Florianópolis. Foram instalados 35 postes em áreas públicas da comunidade. Todas as soluções foram construídas em conjunto, pelos voluntários do Litro de Luz e pelos moradores, que aprenderam todo o processo, da montagem à manutenção das peças. Ao mesmo tempo, outro grupo de voluntários estava em Campina Grande, na Paraíba, instalando 30 postes na comunidade de Mutirão. Para dezembro, estão previstas ações em Manaus e no Rio de Janeiro. O projeto conta com o apoio de empresas  e doações. Para conhecer melhor, acesse a página www.litrodeluz.com.

Leia as últimas notícias do Diário Catarinense


 Veja também
 
 Comente essa história