Amanhã é celebrado o Dia Nacional do Doador de Sangue e, como se sabe, no Brasil o número de doadores ainda é insuficiente: apenas 1,8% da população doa sangue quando, segundo a ONU, o mínimo recomendado seria 3%. Ciente do problema, o engenheiro de produção radicado em Floripa Rafael Oki, 28 anos, uniu tecnologia e engajamento social para conectar doadores a bancos de sangue considerando a demanda. Por meio da plataforma Salvovidas.com, a pessoa cadastrada é avisada quando um banco de sangue da sua região precisa do seu tipo sanguíneo.

– Assim como o Uber conecta pessoas a motoristas de acordo com a demanda, a plataforma conecta bancos de sangue a pessoas conforme a necessidade. Atualmente, os bancos de sangue dependem de campanhas pontuais de mobilização, que aumentam temporariamente o nível dos estoques, mas devido à validade do sangue essas ações não suprem a demanda de forma efetiva – explica Rafael.

A plataforma opera em todo Brasil, com mais de 250 cidades inscritas e mais de duas mil pessoas cadastradas.

Leia também:
Hot spot: no jardim da casa da família, Bettina Bub, em Santo Antônio, aposta em jantares e brunchs com cardápios sempre inéditos
Vista panorâmica e open bar nas alturas: Jurerê Internacional recebe no verão o Sky Experience 
Rock'n Camerata retorna ao CIC para três noites de show, confira o setlist 

Foto: Maykon Lammerhirt / Agência RBS


 DC Recomenda
 
 Comente essa história