"Nossa geração perdeu uma referência intelectual", diz Dilma sobre morte de Millôr João Onófrio/Agencia RBS

O multifacetado Millôr Fernandes

Foto: João Onófrio / Agencia RBS

A presidenta Dilma Rousseff lamenta a morte de Millôr Fernandes. Em nota, Dilma destaca as múltiplas habilidades do gênio e disse que, com a morte dele, o Brasil perde uma referência intelectual.

'Millôr Fernandes foi um gênio brasileiro, um ícone do humorismo. Brilhante jornalista, com a mesma maestria tornou-se escritor, cartunista e dramaturgo. Autodidata, traduziu para o português dezenas de obras teatrais clássicas. Atuou em diversos veículos de comunicação, além de ter sido fundador de publicações alternativas. Com sua morte, o Brasil e toda a nossa geração perdem uma referência intelectual', diz Dilma em nota divulgada pelo palácio do Planalto.

Depois de várias internações, Millôr Fernandes, de 88 anos, morreu nesta terça-feira à noite na casa dele, no Rio de Janeiro, de falência múltipla dos órgãos e parada cardíaca.

Millôr escreveu o primeiro livro aos 10 anos e não parou mais. Trabalhou em jornais e revistas. Na revista O Cruzeiro, durante anos a principal do país, ele assinou a coluna Pif-Paf. Foi um dos fundadores do jornal O Pasquim, que se tornou emblema da crítica à ditadura militar (1964-1985). Millôr também traduziu obras clássicas de Sófocles, Shakespeare, Molière, Brecht e Tennessee Williams.

AGÊNCIA BRASIL
 DC Recomenda
 
 Comente essa história