Colunista do Variedades prepara novo livro com crônicas inéditas e outras já publicadas no DC

Uma coincidência marca a posse do escritor Amilcar Neves amanhã, na condição de membro da Academia Catarinense de Letras. Não é coincidência que precisaria, obrigatoriamente, constar no discurso que preparava ontem para a ocasião. Mas é significativa: no próximo dia 24, ele completa 65 anos de vida. Como começou a escrever aos 15, será empossado no ano em que completa 50 anos de produção literária.

Sua atividade não vai ser arrefecida pela condição de imortal das Letras do Estado. Uma conta é curiosa: ele tem sete livros e meio publicados.

— Sem querer copiar o 8 1/2 de Federico Fellini, mas o livro sobre Eduardo Dias (O Tempo de Eduardo Dias —Tragédia em Quatro Tempos), pelo qual tenho carinho especial, é metade do Francisco Pereira — argumenta Amilcar.

Quem sabe até a frequência de lançamentos se intensifique. Já há um novo trabalho bem encaminhado. A filha morou no Bronx, famoso bairro de Nova York, enquanto fazia seus estudos de doutorado. Hospedados na casa dela, o escritor e a mulher passaram três períodos por lá, vivendo um dia a dia normal, se deslocando por metrô e fazendo as compras de casa.

O período serviu para escrever muito. Várias crônicas escritas nos EUA foram publicadas no Diário Catarinense, onde é colunista (assina a crônica da página 3 do Variedades, logo ao virar a página). Da época, há material não publicado.

— Quero juntar tudo em um livro, são textos com uma visão crítica do país. De longe, a gente consegue perceber coisas que aqui não percebemos. Essa é a ideia, ver o Brasil a partir do Bronx. Não vai ser um guia turístico, vai ter um pouco de ficção e de realidade — conta.

Amilcar também quer reeditar uma de suas mais curiosas obras. Trata-se de Pai Sem Computador, uma novela infanto-juvenil de 1993, que teve seis edições e, para o autor, pode ter mais. É uma história que se passa na Ilha, e introduz algo que era mais ou menos novo à época, o computador pessoal. Por conta de nomes técnicos ainda desconhecidos pela maioria dos leitores, tinha muitas notas de rodapé.

— As pessoas têm me pedido para reeditar o livro, que tem um tema sempre interessante. Mas agora, não há mais razão de ter as notas de rodapé. Hoje em dia, nem se usa mais disquete — diz.

Nova posse na semana que vem

Quanto ao assunto Academia, vale destacar que ele assume a cadeira número 32, que pertencia ao escritor e professor Lauro Junkes. A solenidade será amanhã, às 19h, na sede da instituição. Na semana que vem, outro novo membro será empossado na ACL: Gilberto Gerlach, que assume a vaga deixada pela morte do historiador Carlos Humberto Corrêa.

— Não tenho tido contato com a Academia, nem oficialmente. Só começo a receber as informações quando for oficialmente empossado. Mas acho que há muita coisa para ser feita. A tendência entre um grande grupo de membros é trabalhar para abrir mais a estrutura física — opina o novo imortal.
 Veja também
 
 Comente essa história