Zury Machado morre aos 91 anos Julio Cavalheiro/Agencia RBS

Ele deixou a vida no Hospital de Caridade, instituição para a qual doou seus bens

Foto: Julio Cavalheiro / Agencia RBS

Um dos mais conhecidos colunistas sociais de Santa Catarina morreu na manhã desta quinta-feira. Aos 91 anos, Zury Machado deixou o mundo no local que costumava frequentar e que escolheu para doar todos os seus bens: o Hospital de Caridade. Ele estava internado no hospital desde terça-feira, quando teve um infarto.

Leia também:
::: Moacir Pereira: um “gentleman” nas relações humanas

Seu velório começa às 12h na capela Menino Deus e seu sepultamento deve ocorrer entre 17h e 17h30min desta quinta-feira no Cemitério da Irmandade Nosso Senhor dos Passos, ambos localizados no Hospital de Caridade.


Zury Machado doou seus bens para o Hospital de Caridade, onde foi voluntário
Foto: Julio Cavalheiro, BD, 03/09/2012

Elegância e fino trato

Zury nasceu em Tijucas, na Grande Florianópolis, em 7 de setembro de 1922. Filho de um sapateiro e de uma dona de casa, chegou na Capital catarinense aos 15 anos. 

Conhecido por sua elegância, aprendeu com a vida e com os amigos que um homem não deve usar nem joias – com a exceção do relógio – nem meias brancas. Ele viajou o mundo e o Brasil e traduziu em caneta e papel o glamour de diferentes gerações, seja nas crônicas sociais cariocas ou nos relatos dos bailes do Lira Tênis Clube e Doze de Agosto.

Se há um aspecto de Zury para lembrar é que não se leva fofocas a sério. Para ele, os bafafás da vida privada deveriam ficar entre quatro paredes e não ganhar destaque no noticiário

— Em sociedade tudo se sabe. Mas nem tudo se conta — ensinava ele.

Foram seis décadas de dedicação à vida social brasileira. Ele foi, inclusive, comparado aos maiores colunistas do país entre as décadas de 1950 e 1980, período em que passou por emissoras de rádio e jornais tendo como pauta a alta sociedade.


Zury Machado faria 92 anos no dia 7 de setembro
Foto: Julio Cavalheiro, BD, 03/09/2012

Entre os bailes e as colunas dos jornais

Ao longo de sua carreira, passou pela Rádio Nacional, emissora de rádio hegemônica até o surgimento da TV, pelo jornal A Gazeta e pelas revistas O Cruzeiro, Manchete, Revista da Sociedade Carioca (Díário Carioca) e Vogue. Mas foi no jornal O Estado – para o qual escreveu 2,9 mil colunas semanais –, que deixou a sua maior marca e onde atuou por mais tempo. Foram 60 anos de dedicação.

Zury Machado também foi cerimonialista da Assembleia Legislativa de Santa Catarina e organizador de eventos de gala, como o famoso Baile Branco.

— Essas moças todas de Florianópolis, que hoje já são avós, todas passaram pelas mãos dele nos bailes de debutante — conta o amigo Luis Mario Machado.

Confira a galeira de fotos do colunista


DIÁRIO CATARINENSE
 Veja também
 
 Comente essa história