O Dromedário Loquaz estreia nesta quinta novo espetáculo com baile no Museu da Escola Catarinense cristiano prim/Divulgação

Espetáculo pode ser ouvido ao vivo pela internet

Foto: cristiano prim / Divulgação

O grupo de teatro O Dromedário Loquaz nasceu transgressor. Quando criado em 1981 por Isnard Azevedo (1950-1991), a essência já era resistência e eloquência, como sugere o nome. Na celebração dos 33 anos de trajetória, a histórica companhia de Florianópolis mergulha na própria memória e na da cidade e mais uma vez transgride ao montar um espetáculo com linguagem contemporânea. Rádio Loquaz — ZYK 693 Pausas de Se Ouvir estreia hoje e propõe ao público uma experiência cênica, sonora e de reminiscência com baile no Museu da Escola Catarinense (MEC) e transmissão radiofônica ao vivo.

A dramaturgia não é baseada em texto, mas nas experiências do Dromedário. Foi criação coletiva que resultou numa peça sobre o rádio. Começa com um baile e o público presente, restrito a 40 pessoas, assiste ao vivo à transmissão de um programa que poderá ser ouvido também pela internet neste link.

LEIA TAMBÉM
Guia + DC - Guia Cultural da Grande Florianópolis

O programa tem notícias, momentos de poesia, vinhetas, radionovela. Mas nada de nostalgia. O espetáculo não é uma reprodução do rádio de antigamente, ao contrário, é bem atual. E apesar de ter notícias de décadas passadas os temas continuam tendo sentido hoje.

— Não é reconstituição histórica. É homenagem ao Dromedário em forma de teatro e a peça é a transmissão radiofônica. É uma experiência para imersão na história do grupo e a encenação gravita em torno da ideia de quem está assistindo à peça ao vivo e quem está ouvindo de casa — diz a diretora Barbara Biscaro.

Cantora e atriz, ela tem experiência em preparação de atores e pesquisa no desenvolvimento de dramaturgias cênicas contemporâneas. Foi convidada especialmente para esta montagem justamente para diversificar o repertório e abrir novas possibilidades de linguagem ao grupo.

— Não é nossa primeira experiência de criação coletiva. O último espetáculo do Isnard Azevedo foi assim. Uma das características do Dromedário é o teor político e a interação com o que está ocorrendo no momento — diz Sulanger Bavaresco, integrante da companhia desde o começo e que neste espetáculo é coordenadora-geral e assina o texto da radionovela.

Esta também não é a primeira vez que o grupo se apresenta em espaços alternativos — o próprio MEC já sediou espetáculos do Dromedário. A música será tocada ao vivo no piano por Eugenio Menegaz. A pesquisa foi embasada em partituras dos anos 1940, 1950 e 1960 e aposta em temas românticos para a radionovela. A peça termina com textura contemporânea eletroacústica, fruto da pesquisa musical de Eugenio em parceria com a diretora e Dimitri Camorlinga.

A montagem foi premiada com nota máxima pelo Prêmio Myriam Muniz 2013, concedido pelo Ministério da Cultura (MinC) por meio da Fundação Nacional de Artes (Funarte).

Ah, sim. O espectador é convidado especial do baile e pode dançar à vontade.

Agende-se

O quê:
espetáculo Rádio Loquaz — ZYK 693 Pausas de Se Ouvir
Quando: de hoje a domingo e dia 28, às 21h; dias 29 e 30, às 20h e 22h
Onde: Museu da Escola Catarinense (Rua Saldanha Marinho, 196, Centro, Florianópolis)
Quanto: R$ 20 / R$ 10 (meia), à venda. Os ingressos, limitados a 40, devem ser reservados pelo telefone (48) 9971-3128 e retirados na hora

DIÁRIO CATARINENSE
 Veja também
 
 Comente essa história