COLMEIA 2015 abre as portas com intervenção artística em frente ao Teatro Carlos Gomes Gilmar de Souza/Agencia RBS

Artistas da cidade se reuniram na praça do Teatro para atividade aberta ao público

Foto: Gilmar de Souza / Agencia RBS

O primeiro dia do Coletivo Laboral Multicultural de Experimentações e Intervenções Artísticas (COLMEIA) 2015 abriu as portas com promessas de um sábado alegre e recheado de atrações gratuitas no Teatro Carlos Gomes, Centro de Blumenau. A movimentação começou pouco antes das 10h tanto nos espaços internos do teatro quanto na praça que fica bem em frente, onde alguns artistas se reuniram para uma intervenção artística diferente.

Estendido no chão, um pano branco serviu de tela para que os participantes e mais quem quisesse entrar no jogo expressassem a arte com o corpo. Tintas coloridas foram os instrumentos utilizados para dar mais vida à performance, que contou ainda com batuques e entoação de cantos. No fim, todos ao redor aplaudiram e os artistas finalizaram a apresentação com um abraço coletivo.

::: Confira a programação completa do evento e agende-se!

Paralelamente, atrações como teatro, artesanato, shows de música, hip hop, dança, culinária, exposições, literatura e debates seguem por todo o fim de semana à disposição de quem quiser participar. Neste ano o COLMEIA vai oferecer sábado e domingo 216 opções de lazer para o público. Para Rodrigo Dal Molin, coordenador cultural do Teatro Carlos Gomes, as primeiras horas de evento já mostraram o tamanho do comprometimento da classe cultural com o projeto. A organização espera, nos dois dias, um público aproximado de 6 mil pessoas:

— Temos uma programação enorme e com um pessoal muito engajado, que ficou mais autônomo. Diria que é o nosso ano mais maduro — comenta.

Agende-se!
O quê: 4º Coletivo Laboral Multicultural de Experimentações e Intervenções Artísticas (COLMEIA).
Quando: Sábado das 10h às 3h; e domingo, das 10h às 0h.
Quanto: Grátis.
Mais informações: facebook.com/coletivocolmeia

JORNAL DE SANTA CATARINA
 Veja também
 
 Comente essa história