"Evereste" hesita entre a emoção e o entretenimento Universal/Divulgação

A aventura que estreia hoje é estrelada por Jason Clarke, Jake Gyllenhaal e Josh Brolin

Foto: Universal / Divulgação

O desafio de chegar ao topo dos montes mais majestosos do planeta fascina não apenas os exploradores: estar mais perto do céu e literalmente transcender os limites terrenos é um tema caro também ao cinema – a atriz e diretora alemã Leni Riefenstahl, por exemplo, emocionava multidões estrelando os chamados “filmes de montanha” nos anos 1920 e 30, como A Luz Azul (1932). O mais novo exemplar desse subgênero (confira mais títulos ao lado) é Evereste (2015), drama de aventura inspirado em uma expedição verdadeira ao cume mais alto do mundo, estrelado por um elenco recheado de astros internacionais.

Veja outros cinco filmes sobre alpinistas em situação de aperto
Após volta por cima, "Que Horas Ela Volta?" chega a 250 mil espectadores

O longa que entra em cartaz hoje na Capital é dirigido pelo islandês Baltasar Kormákur, realizador de policiais hollywoodianos como Contrabando (2012) e Dose Dupla (2013). Evereste acompanha a escalada de uma turma de montanhistas em maio de 1996 ao alto do célebre colosso de pedra na cordilheira do Himalaia. O filme mostra desde a chegada dos alpinistas na fronteira do Nepal com a China até o trágico desfecho depois de atingido o objetivo.

Para galgar os 8.848 metros do monte, dois chefes de expedição resolveram unir seus grupos: Rob Hall (vivido por Jason Clarke, de Planeta dos Macacos: O Confronto) e Scott Fischer (interpretado por Jake Gyllenhaal, visto recentemente em Nocaute). Entre os aventureiros estão o arrogante médico Beck Weathers (Josh Brolin), o determinado carteiro Doug Hansen (John Hawkes) e o jornalista Jon Krakauer (Michael Kelly, do seriado House of Cards).

Walter Salles desvenda Jia Zhang-ke em documentário

O time feminino inclui Emily Watson como coordenadora do acampamento de base, Keira Knightley no papel da esposa grávida de Hall e Robin Wright na pele da mulher de Weathers – ambas acompanhando de casa a tentativa dos maridos de escapar da terrível tempestade que impede a descida.

Krakauer contou sua experiência real no livro No Ar Rarefeito, publicado em 1998 e editado no Brasil pela Companhia das Letras. Evereste, porém, passa ao largo do impacto provocado pelo escritor americano em seu relato: o filme hesita entre a emoção e o entretenimento, sem no entanto alcançar sucesso em nenhum dos registros. A história começa acenando com um esboço interessante dos personagens – o desenho dramático, entretanto, não se completa. Por outro lado, apesar das belas e assustadoras cenas de montanha – captadas no próprio Everest e nos Alpes italianos –, falta ritmo e tensão na montagem, imprescindíveis para que o público embarque na trama. Evereste é frustrante como uma subida que fica pelo meio do caminho.

Leia ainda: documentário 'Homem Comum' está nos cinemas
Drama erótico em 3D, 'Love' tem méritos, mas trama é pobre

EVERESTE
De Baltasar Kormákur
Aventura, Grã-Bretanha/EUA/Islândia, 2015, 122min, 14 anos. Estreia nesta quinta-feira no circuito (veja as salas no roteiro das páginas 8 e 9).
Cotação: 2

Documentário polêmico sobre colaboracionismo francês na II Guerra ganha nova edição no Brasil

G>

 DC Recomenda
 
 Comente essa história