Filmes para assistir na TV neste fim de semana Imovision/Divulgação

Alabama Monroe passa no sábado à noite

Foto: Imovision / Divulgação

Eu e Você
(Io e Te) – De Bernardo Betolucci. Com Jacopo Olmo e Tea Falco. Este bom filme praticamente passou batido. É irregular, mas tem seus momentos, que fazem lembrar o Bertolucci que sabe filmar o processo de amadurecimento (foi assim em La Luna, Beleza Roubada e Os Sonhadores). Aqui, a trama gira em torno de um guri introvertido que engana os pais dizendo estar em uma viagem do colégio, mas que na verdade quer passar as férias isolado no porão de casa. O plano não dá certo porque a irmã o descobre – e o chantageia para ficar escondida com ele. Drama, Itália, 2012, 103min. Telecine Cult, sábado, 14h

Clube de Compras Dallas
(Dallas Buyers Club) – De Jean-Marc Vallée. Com Matthew McConaughey e Jared Leto. Bom diretor de atores (vide Livre, com Reese Witherspoon), Vallée faz da parceria de seus dois intérpretes (ambos vencedores do Oscar) um ponto forte deste filme sobre a luta de um homofóbico cowboy que é infectado com o vírus da aids no Texas dos anos 1980. Particularmente McCounaughey, que já vinha demonstrando talento em True Detective, Amor Bandido, Killer Joe, O Lobo de Wall Street... A denúncia da ganância da indústria farmacêutica dá força à dramaturgia de Clube de Compras Dallas. Veja! Drama, EUA, 2013, 117min. Telecine Touch, sábado, 19h45min

Leia também: 'Que Horas Ela Volta?', fenômeno do cinema nacional
Polanski faz ensaio sobre o masoquismo em 'A Pele de Vênus'
Aventura 'Evereste' hesita entre a emoção e o entretenimento

Mutum
De Sandra Kogut. Com Thiago da Silva Mariz e João Miguel. Sensível adaptação de um excerto da novela Campo Geral (Manuelzão e Miguilim), de Guimarães Rosa, este drama narra as descobertas (e a consequente perda da inocência) de um sertanejo de 10 anos que o escritor identificaria como "uma história autobiográfica". Mariz, o pequeno protagonista, é um achado. Drama, Brasil, 2007, 95min. Curta!, sábado, 22h

Drama erótico em 3D, 'Love' tem méritos, mas trama é pobre
Walter Salles desvenda Jia Zhang-ke em documentário
Todas as notícias de críticas de cinema em ZH
Leia também: as notícias de televisão

Alabama Monroe
(The Broken Circle Breakdown) – De Felix van Groeningen. Com Veerle Baetens e Johan Heldenbergh. Triste, trágico, desolador, mas uma experiência de grande cinema, este filme acompanha a crise de um casal formado por um músico e uma tatuadora quando sua filha adoece. Sua jornada do céu ao inferno é contada com muitos flashbacks e uma quebra narrativa que potencializa o impacto sobre o espectador. A trilha sonora é espetacular: está recheada de bluegrass de raiz, a começar pelo hino folk referenciado no título (Will the Circle Be Unbroken?), que perpassa toda a trama. Há uma dualidade mais do que interessante entre a paixão pela cultura norte-americana e o apelo da espiritualidade – ambos evocados em um movimento de fuga da realidade sombria para uma espécie de "terra dos sonhos". Filmaço, politicamente contundente, inventivo em sua forma e lindo em sua tristeza. Talvez seja duro demais para um sábado à noite, mas: é imperdível. Drama, Bélgica, 2012, 111min. Telecine Cult, sábado, 23h45min

Killer Joe – Matador de Aluguel
(Killer Joe) – De William Friedkin. Com Matthew McConaughey, Emile Hirsch, Thomas Haden Church, Gina Gershon e Juno Temple. Baita filme do veterano diretor de O Exorcista (1973), aborda a decadência moral de uma família americana de maneira ao mesmo tempo tarantinesca, pela forma gráfica como explora a violência, e grotesca, pela trama de um pai e um filho irresponsáveis que contratam um matador para assassinar a mãe e ficar com a grana de seu seguro. Policial, EUA, 2011, 102min. Cinemax, madrugada de sábado para domingo, 3h

Ela
(Her) – De Spike Jonze. Com Joaquin Phoenix, Amy Adams e Chris Pratt. Hypado drama com um pé na ficção científica sobre um homem que se apaixona pela voz de um sistema operacional – que na versão original é de Scarlett Johansson, o que faz todo o sentido, convenhamos. Não, o filme não é afetado, ao contrário do que pode parecer. Tem um visual lindo (cálido, repleto de cores quentes) e está cheio de reflexões interessantes (não óbvias) sobre a solidão no mundo contemporâneo. E tem Joaquin Phoenix, de novo ele, um dos melhores atores de sua geração, como você também pode conferir, entre outros, no filme O Mestre (leia abaixo). Drama, EUA, 2013, 126min. Max, domingo, 16h30min

Pequena Miss Sunshine
(Little Miss Sunshine) – De Jonathan Dayton e Valerie Faris. Com Abigail Breslin, Greg Kinnear, Toni Collette, Alan Arkin e Paul Dano. Pessoalmente, acho este retrato do desajuste familiar um tantinho forçado. Mas, em seus exageros, o filme sobre uma família que cruza os Estados Unidos numa Kombi para levar a caçula a um concurso de beleza, tem o seu charme. Comédia dramática, EUA, 2006, 101min. Telecine Touch, domingo, 20h

Tatuagem
De Hilton Lacerda. Com Irandhir Santos, Rodrigo Garcia e Jesuíta Barbosa. Um dos bons representantes do vigoroso cinema pernambucano atual, este primeiro longa na direção do roteirista de vários títulos recentes daquele Estado volta à época da ditadura militar para contar a história de repressão contra o grupo teatral Chão de Estrelas. Lacerda se revela bom diretor de cena – conduz o filme com energia e tira ótimas atuações de todo o elenco. Drama, Brasil, 2013, 110min. Telecine Cult, domingo, 20h20min

O Mestre
(The Master) – De Paul Thomas Anderson. Com Joaquin Phoenix, Amy Adams e Philip Seymour Hoffman. É um tanto incompreendido este ótimo filme do sempre bom diretor de Boogie Nights (1997) e Magnólia (1999). Num registro ainda mais distante do naturalismo, na comparação, por exemplo, com o Daniel Day-Lewis de seu Sangue Negro (2007), Phoenix tem desempenho espetacular como um soldado traumatizado pela II Guerra Mundial. Com intensidade, ele incorpora em trejeitos físicos as fissuras psicológicas de um soldado que voltou da batalha estropiado, pronto para sucumbir ao apelo da seita de um carismático líder religioso. Pode ter certeza: qualquer semelhança com a Cientologia não é mera coincidência. Drama, EUA, 2012, 144min. Max, domingo, 22h35min

ZERO HORA
 DC Recomenda
 
 Comente essa história