Wagner Segura é a referência do samba e choro em Santa Catarina Betina Humeres/Agencia RBS

REUNIÃO - Alexandre Damaria, Gustavo Rodrigo de Souza, Marcus Demétrio, Wagner Segura e Vinicius Domingues Buch

Foto: Betina Humeres / Agencia RBS

Samba para ser bom tem de ter poesia, melodia e um balanço sincopado, teleco teco, ziriguidum. "Não pode ser oportunista", alerta Wagner Segura, músico de Santa Catarina que está para o samba assim como Zininho está para a poesia. Não há sambista em Florianópolis que não tenha tocado com ele ou passado por sua escola, o centro musical que leva o seu nome e que comemora 23 anos hoje com samba, claro, no Teatro Álvaro de Carvalho, no Centro da cidade.

A apresentação terá a participação de 40 músicos que beberam na fonte de conhecimento de Segura e hoje tocam profissionalmente, tanto aqui quanto em outros Estados. Esse número representa menos de 5% do total de 1 mil pessoas que já estudaram na escola.

- Sempre sonhei em fazer um show desse. É o resultado da minha plantação na linguagem do samba e do choro. A ideia é juntar ex-alunos e mostrar o que aconteceu com eles - diz o professor.

Grupos de cinco e seis músicos se revezarão no palco para interpretar o repertório que inclui sambas conhecidos, composições de Segura e de parceiros e até uma releitura ousada do tango Adios Nonino, de Ástor Piazzolla.

- Muitos mal sabiam pegar num instrumento quando começaram a fazer aulas e hoje são referência no samba, no pagode e no choro - orgulha-se.

Foi menino que Segura, 53 anos, começou na música. Chegou em Florianópolis vindo de São Paulo ainda bem moço e por aqui construiu uma sólida carreira musical. O violonista, arranjador e compositor é reverenciado por ser o principal propagador e divulgador do chorinho na cidade.

- Minha história com o samba é grande, tem mais de 30 anos, dos quais 27 são de envolvimento com todas as escolas de samba da Capital - diz ele, hoje integrante da Coloninha.

FORMAÇÃO DE SAMBISTAS

Segura liderou e fez parte de conjuntos de choro como Nosso Choro e Vibrações - do qual foi fundador no começo dos anos 80 - e representou Santa Catarina em projetos como Pixinguinha e Pixingão, no Rio de Janeiro. Também tocou com nomes importantes da música catarinense, como Neide Mariarrosa e Zininho.

- Reconheço a escola como especializada em samba. Todo mundo que conheço desse gênero passou por ele - diz o percussionista Alexandre Damaria, que cruzou com o músico pela primeira vez em uma das rodas do saudoso Bar do Tião, extinto reduto de samba de raiz de Florianópolis.

O Centro Musical Wagner Segura, que fica na região central da Ilha, tem o propósito de lecionar música brasileira, samba, choro, música instrumental. É voltado para o ensino dos instrumentos violão de seis e sete cordas, bandolim, cavaquinho, banjo, viola caipira, além de harmonia, improvisação e prática de conjunto.

AGENDE-SE

O quê: show em comemoração aos 23 anos do Centro Musical Wagner Segura
Quando: hoje, às 21h
Onde: Teatro Álvaro de Carvalho - TAC (Rua Marechal Guilherme, 26, Centro, Florianópolis)
Quanto: R$ 30 e R$ 15 (meia), à venda na bilheteria do teatro e no Centro Musical Wagner Segura (Rua Fernando Machado, 140, Centro, Florianópolis)
Informações: (48) 3028-8070

DIÁRIO CATARINENSE
 DC Recomenda
 
 Comente essa história