Cinemas de sete capitais recebem 17 longas restaurados de Truffaut Divulgação/Divulgação

Jean-Paul Belmondo e Catherine Deneuve em A Sereia do Mississipi

Foto: Divulgação / Divulgação

Aos poucos, os clássicos estão chegando ao DCP – o sistema digital de alta resolução usado para as projeções nos cinemas. Em 2014, quando se completaram 30 anos da morte de François Truffaut (1932 – 1984), a Cinemateca Francesa restaurou a obra completa do cineasta. E, melhor para nós, enviou-a a outros países. Em julho, São Paulo recebeu seus longas-metragens – junto a uma exposição de itens pessoais. A partir desta quinta-feira, a distribuidora Pandora leva a outras sete capitais 17 dos 21 longas de um dos mais queridos diretores europeus. Em Porto Alegre, os filmes serão exibidos no Espaço Itaú 1, diariamente, pelas próximas duas semanas.

Leia também: Capitólio exibe filmes de diretoras de destaque
A boa surpresa de 'Respire', de Mélanie Laurent
'A Travessia' traz entretenimento vertiginoso

Exceto pelas exibições de seus filmes a partir de cópias em DVD na Sala Redenção, no ano passado, os cinéfilos da cidade não tinham acesso a uma mostra tão ampla de Truffaut desde os anos 1990, quando a Cinemateca Paulo Amorim apresentou cópias em 35mm de títulos inesquecíveis como Atirem no Pianista (1960) e Beijos Proibidos (1968). Entre as desgastadas películas de 20 anos atrás e o novo DCP vão algumas diferenças, em certos aspectos, para melhor: as cores de O Amor em Fuga (1979) e os tons de cinza de A Noiva Estava de Preto (1968), agora, são mais fiéis ao que foi concebido pelos fotógrafos Néstor Almendros e Raoul Coutard.

Nova versão de 'Peter Pan' é pop
Diretor de 'No' volta com drama contundente
'Viver É Fácil com os Olhos Fechados' fala de paixão pelos Beatles

Os Incompreendidos (1959) e Jules e Jim (1962) são os mais badalados filmes de Truffaut, mas a mostra é tão completa que permitirá constatar a qualidade de produções que não costumam receber tanta atenção da parte de público e crítica. Um exemplo é A Sereia do Mississipi (1969), thriller romântico com Catherine Deneuve e Jean-Paul Belmondo inspirado no mesmo livro de Cornell Woolrich que, em Hollywood, renderia o muito inferior Pecado Original (2001), com Antonio Banderas e Angelina Jolie.

Cultuada cineasta Chantal Akerman morre aos 65 anos
Leia todas as notícias de críticas de cinema em ZH

Só ficará faltando o curta-metragem Antoine e Collette (1962) para completar as aventuras do alter ego Antoine Doinel – os quatro longas nos quais o personagem encarnado pelo ator Jean-Pierre Léaud serão exibidos até o dia 28. Esses filmes escancaram um dos grandes diferenciais de Truffaut: o caráter pessoal de sua obra, que revela uma personalidade fascinante em sua trajetória de descoberta da cinefilia após a infância turbulenta, marcada pelo abandono.

Com a mostra dedicada a Truffaut, Porto Alegre ganha o quarto ciclo de um grande cineasta francês em 2015. Os anteriores, todos realizados na Cinemateca Capitólio, foram dedicados a André Téchiné, Claude Chabrol e Jacques Démy.

Confira os horários das sessões, que serão realizadas diariamente no Espaço Itaú 1, no Bourbon Shopping Country:

Quinta-feira (15/10)
14h30: Beijos Proibidos (1968)
16h30: Os Incompreendidos (1959)
18h30: Um Só Pecado (1964)
21h: O Amor em Fuga (1979)

Sexta (16)
14h30: Atirem no Pianista (1960)
16h30: Beijos Proibidos (1968)
18h30: Jules e Jim – Uma Mulher para Dois (1962)
21h: Domicílio Conjugal (1970)

Sábado (17)
14h30: Os Incompreendidos (1959)
16h30: Domicílio Conjugal (1970)
18h30: O Último Metrô (1980)
21h: Jules e Jim (1962)

Domingo (18)
14h30: Jules e Jim (1962)
16h40: O Último Metrô (1980)
19h: Os Incompreendidos (1959)
21h: Beijos Roubados (1968)

Segunda (19)
14h30: O Amor em Fuga (1979)
16h30: Jules e Jim (1962)
18h40: Domicílio Conjugal (1970)
21h: Os Incompreendidos (1959)

Terça (20)
14h20: Jules e Jim (1962)
16h30: Domicílio Conjugal (1970)
18h30: O Amor em Fuga (1979)
21h: Atirem no Pianista (1960)

Quarta (21)
14h20: O Último Metrô (1980)
16h30: Beijos Proibidos (1968)
19h: Atirem no Pianista (1960)
21h: O Amor em Fuga (1979)

Quinta (22)
16h30: Um Só Pecado (1964)
19h: A Sereia do Mississipi (1969)

Sexta (23)
16h30: As Duas Inglesas e o Amor (1971)
19h: A História de Adèle H. (1975)

Sábado (24)
16h30: A Noiva Estava de Preto (1968)
19h: As Duas Inglesas e o Amor (1971)

Domingo (25)
16h30: A História de Adèle H. (1975)
19h: De Repente num Domingo (1983)

Segunda (26)
16h30: De Repente num Domingo (1983)
19h: Um Só Pecado (1964)

Terça (27)
16h30: Na Idade da Inocência (1976)
19h: O Homem que Amava as Mulheres (1977)

Quarta (28)
16h30: O Garoto Selvagem (1970)
19h: A Mulher do Lado (1981)

ZERO HORA
 Veja também
 
 Comente essa história