Filmes para assistir na TV neste fim de semana Reprodução/Ver Descrição

Gloria Swanson como a inesquecível Norma Desmond da obra-prima Crepúsculo dos Deuses

Foto: Reprodução / Ver Descrição

A Bela e a Fera
(La Belle et la Bête) – De Christophe Gans. Com Vicent Cassel, Léa Seydoux e André Dussollier. O visual desta nova versão do clássico conto de fadas é deslumbrante. Mas, se vem do mesmo país da maravilhosa leitura de Jean Cocteau (de 1946), este A Bela e a Fera lembra mais a adaptação da Disney (1991), por conta de suas frenéticas sequências de ação. Licenças dramáticas à parte: os irmãos da Bela ganham destaque na trama, que está repleta de elipses narrativas e menos apelo à emoção, na comparação com sua versão mais difundida. Fantasia, França/Alemanha, 2014, 112min. Telecine Pipoca, sábado, 13h35min

O Sexto Sentido
(The Sixth Sense) – De M. Night Shyamalan. Com Bruce Willis, Haley Joel Osment e Toni Collette. Este suspense surpreendente fez a fama de seu diretor de origem indiana em Hollywood. Depois ele caiu em desgraça, assinando longas de fato ruins e outros subestimados por público e/ou crítica. De todo modo, O Sexto Sentido funciona. Se você não viu o filme e nunca deparou com seu afamado spoiler final, trate de aproveitar! Suspense, EUA, 1999, 107min. Telecine Action, sábado, 18h

17 dos 21 longas de Truffaut voltam restaurados aos cinemas
Comédia de Bogdanovich tem boa premissa, mas é anacrônica
Leia todas as matérias e críticas de cinema em ZH
E também as notícias de televisão

Gran Torino
De e com Clint Eastwood. O velho Clint anunciou que este seria seu último projeto como ator, o que não cumpriu, afinal, fez Curvas da Vida (2012), de seu parceiro Robert Lorenz. Gran Torino tinha tudo para ser um gran finale: é "o" filme do sujeito de uma outra época e suas dificuldades para lidar com os novos tempos, estes de multiculturalismo, informalidades e noções diferentes de honra do que aquelas que o personagem, um militar aposentado, conhecera em sua formação. Nos EUA e na Grã-Bretanha, registou o maior sucesso de público entre todas as mais de 30 produções dirigidas por Eastwood. Faz sentido: é um de seus melhores filmes, ainda que não tenha o apelo de As Pontes de Madison (1995), a consagração de Menina de Ouro (2004) e o significado histórico de Os Imperdoáveis (1992). É um dos mais tocantes retratos da velhice e do anacronismo de uma das grandes personas que o cinema foi capaz de produzir. Drama, EUA, 2008, 116min. Max Prime, sábado, 22h

Casseta & Planeta – A Taça do Mundo É Nossa
De Lula Buarque de Hollanda. A adaptação para o cinema do humorístico que fez história no país surfou na onda da Copa do Mundo. O longa levou 690 mil pessoas aos cinemas – não é muito, mas é mais do que o outro título do grupo, Seus Problemas Acabaram!, de 2006. Comédia, Brasil, 2003, 90min. RBS TV, madrugada de sábado para domingo, 3h15min

Leia também: 'A Travessia' oferece experiência de cinema vertiginoso
Diretor de 'No' volta com contundente drama sobre crimes da Igreja
Polanski faz ensaio sobre o masoquismo em 'A Pele de Vênus'
Novo 'Peter Pan' faz releitura do clássico com caráter pop

Senhores do Crime
(Eastern Promises) – De David Cronenberg. Com Viggo Mortensen, Naomi Watts, Vincent Cassel e Armin Mueller-Stahl. Você certamente já ouviu falar na sequência de luta na sauna, na qual o protagonista, empregado de um chefe da máfia russa em Londres, precisa se defender de um ataque estando nu e hiperexposto. Ela é um exemplo de como Cronenberg, embora mais realista e menos alegórico, mantém coerência com sua reconhecida obra pregressa – o mais fisiológico dos cineastas usa como ninguém o corpo humano como elemento dramático. A história, aqui, é a de um mergulho lento (e dolorido) no contexto de atuação de uma das organizações criminosas mais violentas do mundo. Senhores do Crime sucede o ainda melhor Marcas da Violência (2005), que marcou o início da parceria do diretor canadense com o ator Viggo Mortensen. O horário não é dos melhores, mas ao menos é noite de sábado... Drama, Grã-Bretanha, 2007, 101min. Cinemax, madrugada de sábado para domingo, 4h05min

Pequena Miss Sunshine
(Little Miss Sunshine) – De Jonathan Dayton e Valerie Faris. Com Abigail Breslin, Greg Kinnear, Toni Collette e Paul Dano. Talvez o retrato do desajuste familiar aqui proposto seja um tanto forçado. Mas, apesar de seus exageros, tem o seu charme este premiado filme independente americano (venceu dois Oscar, de roteiro original e ator coadjuvante, para Alan Arkin) sobre uma família que viaja pelos EUA numa Kombi para levar a caçula a um concurso de beleza. Comédia dramática, EUA, 2006, 101min. Telecine Touch, domingo, 14h15min

Roberto Carlos em Ritmo de Aventura
De Roberto Farias. Com Reginaldo Faria e José Lewgoy. O primeiro e mais bem-sucedido dos filmes que Roberto Farias dedicou ao cantor. A trama da fuga de Roberto Carlos, que é perseguido por uma quadrilha internacional que deseja levá-lo aos EUA, já era nonsense em seu tempo. Hoje parece ainda mais surreal – e engraçada, se você entrar no clima. Aventura/musical, Brasil, 1968, 97min. Canal Brasil, domingo, 19h50min

Operação França
(The French Connection) – De William Friedkim. Com Gene Hackman e Roy Scheider. Vencedor de cinco Oscar, entre eles melhor filme, direção e ator (para Hackman), este ótimo thriller narra a operação policial para desmantelar um esquema internacional de tráfico de drogas. Dois anos depois, seu diretor faria O Exorcista e se tornaria um dos grandes nomes de Hollywood – não se pode dizer, no entanto, que vingou como seus parceiros de geração Coppola e Scorsese. Policial, EUA, 1971, 104min. Telecine Cult, domingo, 19h55min

Crepúsculo dos Deuses
(Sunset Boulevard) – De Billy Wilder. Com Gloria Swanson e William Holden. Obra-prima da era de ouro de Hollywood – e um dos melhores filmes de todos os tempos, ressalte-se. A história é a da tentativa frustrada de retorno aos holofotes de uma atriz do cinema mudo que caiu em desgraça após o advento dos filmes com diálogos. Lembrou de O Artista (2011)? Crepúsculo dos Deuses ganhou menos Oscar (três no total, de direção de arte, trilha sonora e roteiro original), mas é muito melhor. E, mesmo que Jean Dujardin tenha uma atuação maiúscula no filme recente de Michel Hazanavicius, não dá para compará-lo com a força da Norma Desmond criada por Gloria Swanson, ela mesma uma atriz de destaque nos anos 1910 e 20 que sucumbiu e só foi voltar, depois de duas décadas sumida, neste filmaço inesquecível de Billy Wilder (também o mestre por trás de títulos tão diferentes, mas igualmente ótimos, como o noir Pacto de Sangue e a comédia Quanto Mais Quente Melhor). Drama, EUA, 1950, 110min. Telecine Cult, domingo, 23h55min

ZERO HORA
 DC Recomenda
 
 Comente essa história