Lady Gaga é a protagonista de "American Horror Story: Hotel", que estreia nesta quarta Frank Ockenfels/FX/Divulgação

Lady Gaga faz o papel de Condessa Elizabeth, dona de um hotel assustador

Foto: Frank Ockenfels/FX / Divulgação

Quatro temporadas, um Globo de Ouro e dois Emmy depois, Jessica Lange decidiu, no ano passado, que seu tempo como protagonista de American Horror Story tinha acabado. O anúncio criou um grande problema para o produtor Ryan Murphy: como substituir a premiada atriz que era a espinha dorsal de sua série, uma das produções de maior sucesso da TV americana nesta década?

Leia mais:
De "Just Dance" a "American Horror Story": as múltiplas faces de Lady Gaga
Conheça Ryan Murphy, o mago pop da TV americana

Pois a solução bateu à porta de Murphy. Ninguém menos que Lady Gaga, a rainha do pop na atualidade, ofereceu-se para participar da antologia, que conta uma história diferente a cada ano.

— Sou uma grande fã deste programa há tanto tempo, sempre admirei os atores, a direção de arte, as histórias e as mensagens que passam. Queria fazer parte disso — revelou Gaga à revista Variety, acrescentando que considera Murphy sua "alma gêmea" pela criatividade e paixão pelo trabalho.


Assim, a cantora se tornou a protagonista de American Horror Story: Hotel, quinta temporada da série, que estreia nesta quarta-feira, à meia-noite, no canal FX — mesmo dia que nos Estados Unidos. Ela interpreta a Condessa Elizabeth, dona do enigmático Hotel Cortez, que vira o centro da investigação de uma série de assassinatos em Los Angeles após o detetive John Lowe (Wes Bentley) receber uma pista anônima.

"Scream Queens", a série mais esperada desta temporada

Serial killers, hóspedes com transtornos mentais e espíritos se misturam na temporada que é considerada a "mais obscura e sexy", e que ainda vai interconectar alguns elementos (e personagens) das anteriores. No elenco, também estão Sarah Paulson, Kathy Bates, Angela Bassett, Matt Bomer, Chloë Sevigny, Naomi Campbell e Denis O'Hare.

Conheça as novas séries da alta temporada da TV americana

A empolgação de Gaga com AHS é compreensível para um seriado que só tem crescido em popularidade. O primeiro ciclo, chamado de Murder House, em 2011, atraiu, em média, entre 2,5 e 3 milhões de espectadores por episódio. Em 2014, Freak Show registrou o dobro disso — e, se contadas todas as plataformas, o número chegou a 12,6 milhões de espectadores em média, o recorde do canal pago FX nos Estados Unidos. A performance nas premiações também impressiona: foram cinco indicações ao Globo de Ouro, com uma vitória, e 59 indicações ao Emmy, com nove estatuetas.


Repercussões à parte, a verdade é que American Horror Story e Lady Gaga sempre pareceram a combinação perfeita: ambos com uma estética e uma narrativa exageradas e, às vezes, bizarras. Essa tendência ao bizarro se acentuou nas últimas duas temporadas — Coven e Freak Show —, que preferiram chocar a audiência pelas aparências do que contar uma história realmente assustadora e bem roteirizada. AHS estava virando mais comédia do que horror.


Embora os números crescentes tenham mostrado que a estratégia funcionou, entrevistas recentes dos produtores indicam que Hotel será "mais elegante" — um movimento feito também por, vejam só, Lady Gaga, que tem deixado os tempos de vestidos feitos de carne para trás.

50 séries que você tem que assistir na Netflix e em outros serviços de streaming

E se você acha uma leviandade substituir uma mestre da atuação como Jessica Lange por uma cantora com pouca experiência na área, os colegas de cena só têm elogios à performance da diva pop, como exemplifica Bentley:

— Lady Gaga é incrível. Não é uma surpresa ela ser uma grande atriz, pois confere uma intensidade para todos os seus trabalhos. E para este também.

Leia mais sobre seriados

 Veja também
 
 Comente essa história