Luis Fernando Verissimo: "Há gente pedindo a volta da ditadura. Isso é inconcebível" Revista Rolling Stone Brasil/Divulgação

O novo livro de Verissimo estará à venda a partir desta quarta-feira

Foto: Revista Rolling Stone Brasil / Divulgação

Com mais de 40 anos de trajetória como colunista, Luis Fernando Verissimo vê mais um livro com suas crônicas chegar às livrarias. O escritor recebeu ZH em sua casa para falar sobre As Mentiras que as Mulheres Contam, que estará à venda a partir desta quarta-feira. O volume segue o espírito do seu sucesso As Mentiras que os Homens Contam, com crônicas publicadas na imprensa e um texto inédito que retratam diferentes tipos do universo feminino. Apesar de sua propalada timidez, Verissimo falou à vontade sobre vários temas, como a polarização do debate público e a falta de memória sobre a ditadura. Confira.

Muitos textos de As Mentiras que as Mulheres Contam contêm ironia. Como o senhor encara o risco de ser mal interpretado ao ser irônico?

A ironia é sempre perigosa, pois só funciona se também for lida com ironia. Quando a pessoa não entende, é mortal. Há sempre o risco de os leitores levarem a sério algum exagero que a gente faz. Lembro de uma vez em que escrevi sobre o povo brasileiro, dizendo que era o culpado pelos problemas do país, que é um povo doente, com maus dentes... E teve mais de um leitor que concordou comigo e veio me cumprimentar pela coragem de dizer algo que ninguém dizia. Esse é só um exemplo, mas houve muitos outros.

O debate público parece cada vez mais polarizado. Como o senhor, que se posiciona em suas colunas, percebe este momento?

Sim, está um debate raivoso. É até mesmo assustador o crescimento da direita brasileira, chegando às vezes às raias do fascismo. E também há muita raiva do outro lado, na esquerda. Está uma coisa meio feia, principalmente na internet. Na internet, as pessoas se soltam, soltam seus ódios e ressentimentos.

Novo livro de Luis Fernando Verissimo traz galeria impagável de personagens femininas
Dezenas de fãs de Harry Potter se reuniram em evento na Athena Livraria
Livro que inspirou filme "Perdido em Marte" ganha nova edição no Brasil
Projeto transforma táxis da Capital em bibliotecas sobre rodas

O senhor acompanha os comentários sobre seus textos publicados na internet?

Recebo muitas mensagens desaforadas me xingando, e também sou citado por colunistas – de direita e de esquerda. Há coisas sem nada de civilidade. Podemos fazer debates políticos e ter discordâncias, mas sem apelar para a violência verbal. É violência mesmo. Muitas pessoas ligadas à esquerda são às vezes hostilizadas na rua, em restaurantes. Houve o caso do ex-ministro (Guido) Mantega, que foi agredido, insultado. É triste isso.

O senhor tem recebido mais mensagens agressivas?

Sempre que escrevo algo sobre política, vêm muitas mensagens. Eu até nem leio mais quando vejo que será algo cheio de ódio. Acho que isso tem crescido de uns tempos para cá, principalmente com todos os escândalos de corrupção, que têm atiçado as pessoas. As manifestações contra a corrupção são compreensíveis, mas há gente pedindo a volta da ditadura. Isso é inconcebível. São pessoas que não lembram ou não sabem o que foi o regime militar.

"Grey", nova saga de Cinquenta Tons de Cinza, deixa a desejar
Dilan Camargo é o patrono da Feira do Livro de Porto Alegre
Confira novidades que estão chegando às livrarias

Manter a memória sobre esse passado é um estímulo para escrever?

Sim, tenho comentado isso. Comecei a ter uma coluna assinada em jornal em 1969, a época mais brava da ditadura. Havia assuntos que não podíamos tocar, e também não podíamos criticar os militares. Era duro. No Sul, a situação não era como, por exemplo, a de O Estado de S. Paulo, onde havia censor na redação decidindo o que podia ou não sair. Aqui havia mais autocensura, com as próprias direções dos jornais fazendo a censura prévia. Foi um período difícil. Caso algum texto fosse vetado, a gente sempre tinha um de reserva, falando do sexo dos anjos, para substituí-lo.

O humor era um caminho para burlar a censura?

O humor e, principalmente, o cartum. Por alguma razão, a gente podia dizer coisas com os cartuns que não era possível expressar no texto. Talvez porque o desenho tenha essa conotação de algo lúdico, infantil. O mais importante humorista da época foi o Henfil, um cartunista. Fazia críticas aos governos e aos militares, mas disfarçadas pelo desenho. Aqui também sempre houve bons cartunistas, como o Edgar Vasques, o Santiago, o Sampaulo, entre outros.

A literatura também foi importante na resistência?

Livros não eram censurados, embora também houvesse autocensura dentro das editoras. Quando houve uma tentativa de censurar livros, meu pai, Erico Verissimo, e Jorge Amado trocaram correspondências e definiram que não publicariam mais no Brasil se houvesse censura prévia de livros. O governo recuou, acredito que, em parte, devido a essa resistência do meu pai e do Jorge Amado.

Leia todas as notícias de entretenimento em ZH

 DC Recomenda
 
 Comente essa história