Um dia com Stefanie Graczcki, do @sextafeirablues Yasmine Holanda Fiorini/Agencia RBS

O DC acompanhou a rotina da garota que inspira 75 mil seguidores com uma mensagem de paz, amor e desapego

Foto: Yasmine Holanda Fiorini / Agencia RBS

O Instagram dela é cheio de fotos que mais parecem ter saído de um antigo álbum do festival de Woodstock, com lindas imagens de natureza, arte e, para dar o toque de contemporaneidade, muitas selfies. Stefanie Graczcki, garota por trás do popular @sextafeirablues, tem quase 75 mil seguidores na rede social - mas ela garante que não liga para números:

— Prefiro ter 100 seguidores que curtam, entendam e troquem uma ideia que milhares que não vão entender o que estou postando. A parte mais legal de ter bastante gente é receber o carinho. Poder trocar com essas pessoas, sempre de igual pra igual — conta a brusquense de 21 anos.

Leia outras reportagens da série Um Dia Com
Psicodália, o festival em SC que segue tendência mundial de comportamento
Vozes: "No Psicodália, bandas fora do sistema encontram a mesma relevância de vacas sagradas"

Depois de passar a infância e adolescência em um sítio na cidade do Vale do Itajaí, Stefanie mudou-se para Balneário Camboriú para fazer faculdade. Agora, recém-formada em design de moda pela Univali, tem vivido uma espécie de sonho hippie. Junto com o namorado Pedro Schin, comprou um motor home em 2015 (o @motornomade, devidamente grafitado e colorido por artistas amigos do casal), viajou para o Uruguai, foi ao festival Psicodália e se prepara para ir ao Não Vai Ter Coca, em maio, em São Francisco do Sul. Também tem se dedicado à MUD, marca de brechó que criou junto com as amigas Giovanna Busato e Barbara Behr (outras duas garotas populares na web; vale conferir: @giovannabusato e @behrbarbara).

— A ideia da MUD é reciclar e passar uma ideia diferente pras pessoas. Uma hora cansa esse fast fashion. O pessoal não sabe mais o que gosta de usar, o que é. Não tem mais essa liberdade de expressão, só usa o que tá na loja. A gente quer que as pessoas olhem as roupas e pensem "isso é muito f***", vai ficar irado. Que usem uma coisa diferente, sem preconceitos. As roupas são livres pra todo mundo — defende.

Assista ao vídeo: 

A mudança de lifestyle, além de alterar a percepção sobre o mundo, deu ares hippie ao estilo de Stefanie, que faz tanto sucesso com os seguidores quanto a mensagem paz & amor que busca passar. Os impecáveis cabelos ruivos e looks um tanto mais pesados que exibia anteriormente deram lugar a ondas naturais, um tom de beijado pelo sol e um visual despojado. Coisa de quem tem a sorte de poder deixar de lado preocupações comuns de muitas pessoas nesta época pós-formatura, como carreira, estabilidade e salário fixo.

— Quando eu fazia moda, todo dia acordava às 5h30 pra me arrumar. Batom, base, pó, blush, delineador, rímel, lápis na sobrancelha, passava tudo pra ir pra faculdade. Cansei um pouco também dessa obrigação do trabalho, trabalhei dois anos numa empresa de moda e tinha que estar bem vestida todos os dias para passar uma boa impressão. Esta é a fase mais natural da minha vida. Sou mais de boa. Desapego. Acho que essa é a palavra. Perceber que a gente não precisa de muito.

Linha do tempo: Um dia com Stefanie Graczcki


 Veja também
 
 Comente essa história