Barca dos Livros corre o risco de fechar por falta de apoio financeiro  Felipe Carneiro/Agencia RBS

Tânia Piacentini: amor á literatura e à educação infantil

Foto: Felipe Carneiro / Agencia RBS

Em 2014, a Barca dos Livros foi eleita a melhor biblioteca comunitária pelo Ministério da Cultura e da Educação. Graças ao trabalho de voluntários apaixonados por literatura e que a consideram uma arte fundamental para a infância, a instituição vem há quase uma década formando leitores e promovendo a cultura em Florianópolis. Precisa, no entanto, de um impulso material para que continue existindo.

Para chegar ao posto de referência no país, a Barca dos Livros navegou por mares calmos e revoltos. Hoje, nove anos e dois meses depois da inauguração, conta com um precioso acervo de 15 mil livros, dois terços dos quais de literatura infantil e infanto-juvenil, aproximadamente 5 mil carteirinhas de sócios e a incerteza do futuro. Desde maio do ano passado, está com aluguel atrasado na atual sede, um espaço de 125 m² ocupado no Lagoa Iate Clube (LIC) desde 2012.

Exposições, teatro e acrobacias estão na agenda cultural da semana

- Estamos sem nenhum patrocínio, convênio, subvenção. Além do aluguel, estamos devendo também o salário de três funcionários. [A Barca] é tocada por voluntários. Acontece que nunca foi fácil, mas nunca esteve a ponto de quase fechar - lamenta a coordenadora do projeto, Tânia Piacentini.

De 2010 até maio do ano passado, um convênio com a Fundação Cultural de Florianópolis Franklin Cascaes (FCFFC) garantia o pagamento do aluguel, no valor de R$ 6,5 mil por mês. Mas a parceria não foi renovada.

- O argumento da Fundação foi o de que a Barca não havia demonstrado interesse em renovar. [Mas] nos anos anteriores a renovação era praticamente automática - diz Tânia.

Uma vez por semana a Barca dos Livros recebe estudantes da rede pública e particular Foto: Felipe Carneiro / Agencia RBS

O superintendente da Fundação e secretário municipal de Cultura, Pedro Meyknecht de Almeida, contesta afirmando que todos os convênios públicos demandam um pedido formal de renovação e precisam ser previamente aprovados.Para Tânia, o modelo ideal de funcionamento seria uma receita mensal garantida pelo poder público:

- Todas as atividades são gratuitas. Apenas para os passeios de barco, realizados no segundo sábado de cada mês, é cobrado o valor de R$ 5 para adultos que acompanham as crianças. Nosso material, espaço, livros, tudo é renovado graças ao trabalho dos voluntários. Precisamos de parceiros fixos que queiram ajudar.

Acolhimento literário

De 2007 até hoje, os voluntários da Barca viram crianças que engatinhavam lerem as primeiras palavras e depois amarem a leitura. Despertaram a paixão pela ficção, contaram histórias, viram mães com bebês de colo pegando no sono nos confortáveis sofás da sala de leitura, aconchegadas pelo ambiente de acolhimento literário.

Leia as principais notícias de entretenimento em Santa Catarina

Nascida em Nova Veneza, Sul do Estado, há 68 anos, Tânia Piacentini começou a dar aulas aos 14. Estudou Letras e fez mestrado e doutorado na área de educação e literatura. Foi a primeira representante de Santa Catarina, nos anos 1970, a selecionar livros para a Fundação Nacional do Livro Infantil, que a cada ano premia as melhores publicações para crianças e jovens. 

Duas décadas depois, com o aumento de livros editados para esse público - quando começou, eram no máximo 10 por ano, hoje são cerca de 1.200 novas edições -, passou a convidar pessoas para ajudar a selecioná-los.Daí surgiu um núcleo de 25 leitores e especialistas que formou a Sociedade Amantes da Leitura, ONG que criou e sustenta legalmente a Barca.

- Nem sabíamos que ficaria grande. Queremos continuar e aumentar o atendimento. Abrir ao público todos os dias é um sonho. Temos que estar disponíveis e manter a qualidade. Mas sem dívidas pessoais e crises financeiras - suspira Tânia.

Hoje a Barca abre ao público de terça a sábado, das 14h às 20h - chegou a ser de terça a domingo, em três turnos. Mesmo com as dificuldades, promove atividades semanais, como A Escola Vai à Barca (que recebe alunos de escolas da rede pública e particular), palestras, saraus para adultos, lançamentos de livros, leituras coletivas de livros e passeios mensais de barco pela Lagoa da Conceição.

O cadastro custa R$ 1 e dá ao pequeno sócio uma carteirinha que permite pegar três obras emprestados por 15 dias.

Mais informações sobre a programação no site da Barca dos Livros.


 Veja também
 
 Comente essa história