Foto: Reprodução / Reprodução

Do dia 7 até o dia 17 de setembro, Washington recebe o DC Shorts Film Festival e o Brasil já tem seu representante. Trata-se do documentário Huni Kuin – Os Últimos Guardiões, da produtora La Casa de la Madre. Selecionado entre mais de 1,5 mil inscritos, o filme denuncia a realidade de uma tribo da Aldeia Novo Segredo, Rio Envira, no Acre, e relata a luta dos habitantes da floresta pela preservação da mata.

Com tons de horror e uma trilha intensa desde o início, Huni Kuin tenta traduzir a frustração e o terror que aquelas pessoas sentem ao encontrar sua casa sendo invadida e seus espíritos, pouco a pouco, sendo tirados deles. Eles usam o verde que defendem em suas vestimentas, enquanto o diretor nos mostra suas faces. "Nawa (o homem branco) precisa entender a nossa necessidade de sobrevivência nos nossos territórios. Eles só pensam no problema. Nunca numa solução ou numa estratégia", avalia um índio, enquanto árvores são tombadas na floresta e os "nawa" fazem anotações.

O diretor Danilo Arenas não apenas enquadra paisagens ou rostos indígenas para produzir uma assertiva contra a devastação, como também denota o sentimento de quem retrata. É sua principal força. No ano em que Martírio se mostrou um dos mais relevantes documentários do cenário nacional, ao abordar o descaso governamental com demarcações de terra e o cinismo como encara a história dos guarani-kaiowa, Huni Kuin é mais uma grande voz para registrar o que não é dado a devida atenção no nosso cotidiano: nossos próprios ancestrais.

Outra dica

Além de Martírio, um longa-metragem amazonense que discorria de uma maneira curiosa sobre costumes indígenas era Antes o Tempo Não Acabava. O diferencial da obra de Fábio Baldo e Sergio Andrade era o contraste apresentado na vida de Anderson, um jovem índio que enfrentava, ao mesmo tempo, preconceito da sua tribo por ir morar na cidade e preconceito da própria sociedade. Os diretores conseguiam criar paralelos eficientes entre a natureza e a periferia de Manaus, onde Anderson começava a viver. Se antes o cajado batendo na terra no ritmo do cântico era a rotina do jovem, agora era os sons das máquinas de uma fábrica. Anderson experimentava a nova vida. Ele dançava ao som de Wesley Safadão e se sentia livre para transar com quem quiser. É um bom retrato de alguém que está recém se conhecendo.

Leia também:

Pedro Malasartes volta ao cinema com "Malasartes e o Duelo com a Morte"

Dublê morre em acidente durante as filmagens de "Deadpool 2" 

Dunkirk, filmaço em cartaz em SC 

Leia todas as colunas de Andrey Lehnemann no Diário Catarinense




 Veja também
 
 Comente essa história