"Engraçado que ninguém critica a música sertaneja por não falar de política" Mauricio Valladares/Divulgação

Foto: Mauricio Valladares / Divulgação

"Nunca tivemos pressa em acelerar nosso processo criativo, deixamos ele acontecer naturalmente". Com mais de 30 anos de carreira, Paralamas do Sucesso não precisa lançar um disco após o outro para manter seu público. A verdade é que de tempos em tempos o público deles é que se renova e o repertório que poderia ser defasado parece cada vez mais atual. 

Após oito anos do lançamento de Brasil afora, Herbert Vianna (vocal e guitarra), João Barone (bateria) e Bi Ribeiro (baixo) se preparam pra lançar um novo trabalho: Sinais do sim.

A música que dá título ao álbum já foi liberada nas plataformas online e o álbum completo será lançado nesta sexta-feira, dia em que o grupo se apresenta em Florianópolis no Música SC – Feira de Música & Negócios, no CentroSul.

Por e-mail, o grupo respondeu algumas perguntas. Confere:

Sinais do Sim – que será lançado nesta sexta, data do show em Floripa – dá fim a um longo período sem um projeto novo. Por que levaram tanto tempo para embarcar na produção de um trabalho inédito?

Estivemos bastante ocupados desde 2009, ao longo do período depois do álbum Brasil Afora, com turnês e lançamentos de alguns shows ao vivo, incluindo a turnê de 30 anos. Só conseguimos preparar um novo repertório e sair com um novo trabalho agora. Também quisemos trabalhar com um produtor novo, escolhemos o Mario Caldato Jr, que foi determinante para atingir o resultado deste novo álbum. Nunca tivemos pressa em acelerar nosso processo criativo, deixamos ele acontecer naturalmente. 

Que referências vocês utilizaram para produção de Sinais do Sim?

A nova safra de composições do Herbert e nosso trabalho de musicá-las são o foco principal do trabalho. Mas algumas surpresas apareceram, como uma canção inédita do Nando Reis, uma regravação de um grande sucesso da banda argentina Soda Stereo e uma música da rapper portuguesa Capicua. Nós incorporamos essas músicas, elas viraram composições dos Paralamas. 

Falam que a MPB e o rock há muito deixaram de lado a política. Vocês exploraram o assunto ao máximo, como na canção Luís Inácio (300 Picaretas). O que dizer e cantar sobre o Brasil hoje? 

Engraçado que ninguém critica a música sertaneja por não falar de política, não? Achamos que a contestação político-social continua presente no rock, tanto no nosso trabalho pregresso como no de muitas bandas e artistas atuais, ou no rap, por exemplo, que incorporou isso até mais que o rock. Sinais do sim – o álbum e a canção título – têm crítica social nas letras, direta e subjetivamente. Muitas canções do álbum são crônicas da nossa realidade, vocês poderão constatar.

Letras, arranjos, o jeito de fazer música continuam o mesmo. No entanto, a forma como as pessoas consomem canções em geral mudou durante estes mais de 30 anos de carreira dos Paralamas. Existe um pensar para atrair o público cada vez mais digital?

Não, nada disso muda a nossa forma de lidar com música, apenas utilizamos os mecanismos atuais para entregar nosso trabalho ao público. Além disso, continuamos uma banda de estrada. Uma coisa complementa a outra. Nos shows, é comum o público cantar as músicas dos Paralamas do começo ao fim.

Os sucessos ultrapassam gerações e continuem atuais. Com tantos anos na estrada, como é surpreender o público com novas canções?

Se dependesse de sucesso pregresso, muitos artistas não precisariam gravar nada de novo. No nosso caso, o importante é sentir firmeza no nosso critério de exigência interno. Sair com um novo álbum é sempre um desafio, é importante para a nossa autoestima, mas não significa que tenhamos que superar metas passadas. Se alguma música fizer sucesso, tanto melhor. 

A nova turnê será lançada só em setembro em Curitiba, mas o público de Florianópolis poderá curtir um pouco deste novo trabalho em primeira mão? Como será o show no Música SC – Feira de Música & Negócios?

Nosso show atual é um ótimo roteiro de grandes sucessos onde já incluímos a música nova Sinais do sim. Esta apresentação nesse evento foi fechada muitos meses atrás. Certamente voltaremos aqui em breve com o novo show.

O evento

A primeira edição do Música SC – Feira de Música & Negócios acontece nos dias 4, 5 e 6 de agosto e trará para a capital diversas atrações musicais, expositores dos melhores instrumentos disponíveis no mercado, lojistas e consumidores, além de muitas ações culturais. De acordo com o organizador do evento, Rafael Bastos, este modelo já acontece de maneira menor, em outras cidades, sendo destinado somente aos expositores e lojistas. 

— Optamos por ampliar este leque, trazendo 50 expositores, 500 marcas e cerca de 200 lojistas de todo Brasil. Com este formato, conseguimos reunir desde os lojistas até o consumidor final, seja ele músico profissional ou um estudante de música — explica Bastos.

Agenda de Shows 

Mas claro que os shows nacionais são uma atração à parte no Música SC. A programação inicia na sexta-feira com os shows de Frejat, Os Paralamas do Sucesso, Metrô em uma noite dedicada ao rock dos anos 80, e do catarinense Chico Martins. Já no dia seguinte estão programados Projota, Tiago Iorc, Gazu & Iriê e Bruna Martini. Encerrando a programação, no domingo, será a vez dos catarinenses Dazaranha e Expresso Rural. A programação de shows começará sempre às 19h. Os ingressos estão à venda através do site a partir de R$ 67. Mais informações: (48) 3234-9020.

Leia mais:
Cultura: 7 shows e exposições que ocorrem em Florianópolis nesta semana

 Veja também
 
 Comente essa história