Otto acorda de sonhos intranquilos e esbanja pop e paixão em novo disco Kenza Said/Divulgação

Seja rock, brega, forró ou bolero, pernambucano se entrega em cada uma das 11 faixas que compõem o sexto álbum 

Foto: Kenza Said / Divulgação

Por mais invertida e desanimadora que esteja a realidade, tem duas coisas rolando que não deixam a gente desistir do Brasil. Uma é Ottomatopeia, o disco novo de Otto. Lançado sem o fuzuê nem a pretensão dos anteriores, o sexto álbum de inéditas do pernambucano não se perde em elucubrações & afins. Pelo contrário: tanto em forma quanto em conteúdo, pelas 11 faixas emana uma vibração, um frescor, uma leveza que ele parecia ter abandonado no mesmo recôndito onde mofavam os elogios recebidos no começo de carreira.

Apesar da pretensa isenção, a verdade é que gosto de Otto. Se já era difícil não simpatizar com aquele galego maluquete que tocava percussão no Mundo Livre S/A, ficou impossível quando ele estreou solo com Samba pra Burro, em 1998. Além das múltiplas razões musicais para admirá-lo, ganhei uns trocados o entrevistando para a revista Mercado Mundo Mix (extinta) e – o que não se faz para pagar o aluguel – com um texto para o CD que acompanhava a edição da Trip, narrado pelo próprio publisher Paulo Lima.

Dessas ocasiões resultou um vínculo pequeno para ser chamado de amizade, mas suficiente para que nos cumprimentássemos por aí. Como na vez em que o encontrei no supermercado, em pleno carnaval paulistano. A mídia já tinha escolhido Tiazinha (performer sadomasô de algum malfadado programa de Luciano Huck) e o padre Marcelo Rossi (o Fábio de Melo de então) como as estrelas da folia. Ambos estampavam todas as capas de revistas na fila do caixa. Apontei para Otto a contradição entre o chicote e a batina.  

— Mas isso é a cara do brasileiro: o cristão de p* duro! – respondeu ele, conquistando um fã para sempre.

O figura me sai com uma pérola de sabedoria desse quilate, depois engata um romance com Alessandra Negrini e eu agora vou ficar falando que a música dele é assim ou assada? De jeito nenhum! Ouvi Ottomatopeia como torcedor. Não foi esforço nenhum, principalmente se comparado à fossa suprema de Certa Manhã Acordei de Sonhos Intranquilos (2009) ou à barafunda de conceitos e ideias de seu último trabalho, The Moon 1111 (2012).  O pop domina, travestido de rock, brega, latinagens e nordestices.

Ensaiei cair na umbigada com Bala e Teorema, suspirei com Carinhosa, decorei É Certo o Amor Imaginar? e Caminho do Sol. Desconfiei que fosse Roberta Miranda em Meu Dengo (confirmada), refleti em Soprei, repeti Atrás de Você. Independentemente do que você ache, não dá para negar que Otto se entrega em cada canção. Em tempos de indiferença, ele investe na paixão. Ah: a outra coisa que não deixa a gente desistir do Brasil é que, a despeito de todos os descalabros, as instituições continuam funcionando.


 Veja também
 
 Comente essa história