"Valerian e a Cidade dos Mil Planetas" adapta HQ francesa de ficção científica Diamond Films/Divulgação

Dane DeHaan vive o herói responsável por manter a paz no universo

Foto: Diamond Films / Divulgação

Luc Besson ergueu sua carreira de diretor e, sobretudo, produtor emulando na França a linha industrial moldada em Hollywood. Seus filmes contam com orçamentos generosos para os padrões locais e, em geral, miram o grande público apostando em gêneros que destacam a ação frenética e o artificialismo  visual. Para financiá-los e buscar retorno nas bilheterias de todo o mundo, escala no elenco nomes famosos e tem o inglês como idioma padrão. Alçado à posição de realizador multinacional, vem alternando altos e baixos no currículo desde a década de 1980. Depois de um bom momento junto à crítica e público com Lucy (2014), protagonizado por Scarlett Johansson, Besson volta à ficção científica com mais barulho e menos inspiração, assinando a aventura espacial Valerian e a Cidade dos Mil Planetas, que estreia neste quinta-feira nos cinemas.

Trata-se da adaptação de uma popular história em quadrinhos que tem como personagem Valerian, herói do futuro que se desloca no tempo e no espaço em suas missões ao lado da parceira de armas Laureline. Apresentado em 1967 pelos franceses Pierre Christin (texto) e Jean-Claude Mézières (ilustração), Valerian ganhou o rosto do ator americano Dane DeHaan, e Laureline é vivida pela inglesa Cara Delevingne. Na trama, a dupla integra uma força militar que, no século 28, zela pela paz no universo, harmonia representada por uma gigantesca estação orbital habitada por raças de diferentes planetas.

Leia também
Mostra celebra cinema brasileiro com sessões gratuitas
Sofia Coppola revê clássico com menos erotismo e olhar mais atencioso às personagens femininas

Quando um desses planetas é subitamente aniquilado, Valerian se vê na condição mítica de escolhido para restabelecer a ordem — simbolizada por um cobiçado bichinho com poderes mágicos e aparência de tatu. Na missão, ele e Laureline viajam pelos confins da galáxia encontrando tipos do mais exóticos, como a alienígena capaz de assumir diferentes formas (papel da cantora pop Rihanna) e deparando com um ardiloso traidor na equipe .

Besson joga suas fichas no impacto visual das cenas de ação, que colocam Valerian diante de  perseguições em diferentes dimensões. Em meio a um ambiente de videogame de realidade virtual, brota a tensão romântica entre Valerian e Laureline. Mas esse, digamos, alívio na correria, é conduzido por diálogos pedestres e marcado pelas caras e bocas do casal.

Muito, mas muito epidermicamente, Besson, autor do roteiro, tenta uma aproximação com temas políticos contemporâneos, como o poderio militar bancando a vocação colonialista das grandes potências. Há ainda um tanto do conceito de integração multirracial consagrado pela saga Jornada nas Estrelas, e do  universo idílico sustentável sob ameaça visto em Avatar. São, porém, referências pálidas. Sobra no decorrer dessa aventura muita poeira nos olhos que logo será espanada pelo espectador.


 Veja também
 
 Comente essa história