Morre atriz Rogéria aos 74 anos no Rio de Janeiro Pedro Curi/Divulgação

Foto: Pedro Curi / Divulgação

A atriz e cantora Rogéria, de 74 anos, morreu na noite desta segunda-feira (4) com um caso de infecção urinária, mas teve complicação após uma crise convulsiva. Ela estava internada em um hospital na Barra da Tijuca, no Rio de Janeiro. A informação foi confirmada por seu empresário, Alexandro Haddad.

Segundo o portal G1, o hospital informou que a causa da morte de Rogéria foi um choque séptico. Rogéria já havia sido internada em julho, depois de sentir fortes dores nas costas. A atriz realizou uma bateria de exames, que apontaram para a infecção urinária. Ela foi transferida para a Unidade de Tratamento Intensivo (UTI) e recebeu alta duas semanas depois.

Leia mais:
Rogéria: relembre a trajetória de luta pela liberdade de expressão da atriz
Com infecção urinária, Rogéria é internada em CTI de clínica no Rio

Nas redes sociais, famosos lamentaram a morte da atriz. A atriz Regiane Alves, afirmou ser "muito triste a morte da Rogéria, uma grande artista que agora é uma estrela brilhando no céu". O escritor Walcyr Carrasco também lamento, "foi uma pioneira. Conseguiu ser famosa num mundo preconceituoso. Eu a conheci pessoalmente e garanto, tinha o brilho da estrela que sempre foi. Viva Rogéria!".

A carreira

Nascida Astolfo Barroso Pinto, no interior do Rio de Janeiro, Rogéria é uma das mais antigas transformistas em atividade no Brasil. Ao lado de travestis pioneiras do país, como Jane di Castro, Divina Valéria, Camille K. e Fujika de Halliday, Rogéria é homenageada pela atriz e diretora Leandra Leal no documentário Divinas Divas, premiado no Festival do Rio no ano passado.

Como atriz, estreou nos anos 1960 na galeria Stop Club. Ela participou de filmes no cinema brasileiro e era presença frequente em programas de auditório como jurada. Em 1979, ela recebeu o troféu Mambembe pelo espetáculo "O Desembestado", que fez ao lado de Grande Otelo. A atriz atuou em novelas como "Tieta", em 1989 e "Paraíso Tropical", em 2007.

*ZERO HORA

 Veja também
 
 Comente essa história