Daniela Spielmann  no Festival Floripa Instrumental 2017
Daniela Spielmann se apresenta sábadoFoto: Vicente Mello / Divulgação

Não é só a boa música que faz do Floripa Instrumental o melhor festival do gênero em Florianópolis. Sem formalidades, ocorre no meio da praça, abraçado por uma das comunidades mais antigas da Capital: o Ribeirão da Ilha. Nesta oitava edição, o evento celebra o forró, a gafieira, o blues e tantos outros estilos embalados numa linguagem musical universal. O acordeonista cearense Nonato Lima é quem abre a noite de hoje. Ele apresenta uma nova abordagem para o choro, o jazz e o próprio regionalismo nordestino. O festival segue até domingo e todas as apresentações são gratuitas.

— Nonato é um menino. Uma descoberta do acordeon com sotaque nordestino. É muito virtuoso, e assim como o mestre Dominguinhos, sai do regionalismo e adentra em outras linguagens — diz Antonio Carlos Floriano, idealizador e organizador do evento.

Nonato Lima  no Festival Floripa Instrumental 2017
Nonato LimaFoto: Floripa Instrumental / Divulgação

No sábado, a noite será dedicada à gafieira. Daniela Spielmann, grande nome do saxofone no Brasil, já integrou a banda do programa Altas Horas da Rede Globo e anualmente participa de festivais como líder. Ela toca junto com o trompetista Silvério Pontes, nome conceituado da gafieira no Rio de Janeiro, e de banda base formada pelos músicos catarinenses Geraldo Vargas e Grupo (bandolim), Bruno Moritz (acordeom), Marcelo Portela (violão), Osvaldo Pomar e Fabrício Gonçalves (percussão).

No domingo, dois expoentes do violão brasileiro se apresentam: Zé Paulo Becker e Cainã Cavalcante. Eles se conheceram em há quase 20 anos numa roda de choro, quando Cainã tinha apenas oito de idade. Anos depois fizeram uma parceria que resultou num belíssimo disco com repertório autoral.

A programação paralela do Floripa Instrumental ainda terá apresentações do Choro Catarina, grupo de chorinho formado só por mulheres de Florianópolis, da Orquestra de Choro Campeche, coordenada por Geraldo Vargas e formada por 17 estudantes. A Banda da Lapa, patrimônio do Ribeirão da Ilha, também se apresenta.

Geraldo Vargas participa do floripa instrumental 2017
Geraldo VargasFoto: Luiza Filippo / Divulgação

— Festivais como o Floripa Instrumental, num Brasil de 2017, tornaram-se eventos de resistência cultural diante de todo um movimento contrário à cultura como um todo. Acreditamos que o festival é importante para cidade também como um projeto educativo. Mesmo com dificuldades, o evento segue acontecendo e com programação gratuita — diz Floriano.

Programação
Sexta
21h -
Nonato Lima(CE)
Depois do show, apresentação de Guinha Ramires Trio, com Ubroder (percussão) e Ricardo Baumgarten (baixo)

Sábado
17h -
Choro Catarina
19h - Banda da Lapa
21h - Daniela Spielmann (RJ), Silvério Pontes (RJ) e Geraldo Vargas e Grupo

Domingo
16h -
Orquestra do Campeche
17h - Zé Paulo Becker (RJ) e Cainã Cavalcante (CE)

AGENDE-SE
O quê:
Floripa Instrumental
Quando: sexta a domingo
Onde: Praça Hermínio Silva, em frente à Igreja Nossa Senhora da Lapa, na Freguesia do Ribeirão da Ilha, Florianópolis
Quanto: gratuito

Leia também
Conheça o Embarcação, lugar para experiências poéticas e debates contemporâneos
Catarinense vencedor do Prêmio Jabuti fala sobre o racismo como base da criminologia no Brasil  

 Veja também
 
 Comente essa história