Para as crianças: peça Antiprincesas conta história de Clarice Lispector, Violeta Parra e Frida Kahlo Annelize Tozetto/Divulgação

Emeli Barossi, de Frida Kahlo, e Isadora Lunge como Clarice Lispector

Foto: Annelize Tozetto / Divulgação

Nunca se falou tanto sobre feminismo e empoderamento feminino. Em tempos de questionamentos sobre os papéis de gênero, ou seja, os comportamentos tradicionalmente associados à masculinidade e feminilidade, iniciativas resistem e propõem às crianças maior liberdade na infância e fuga dos estereótipos de gênero, que associam a figura da princesa para as meninas e a do super-herói para os meninos. O espetáculo Antiprincesas, que tem apresentações em Florianópolis nesta quarta e sexta-feira, é uma delas.

O projeto é da Sur Livro, distribuidora especializada em livros na língua espanhola. Com base na Capital catarinense, a empresa traduz, edita e distribui a coleção Antiprincesas, da editora argentina Chirimbote, com obras dedicadas a contar a história de mulheres e homens reais que inspiram os pequenos a ter uma vida mais livre e independente - há também a coleção Anti-heróis.

Para lançar as obras da Antiprincesas no Brasil, a editora buscou contadores de histórias para uma livre adaptação dos livros para o teatro. Foi daí que surgiu o Duas e Só, grupo formado pelas alunas de teatro da Udesc Emeli Barossi e Isadora Lunge. As mulheres representadas em cena não se encaixavam, em suas épocas, nos estereótipos de gênero - diferentemente das princesas dos tradicionais contos de fada, elas não viviam em castelos e não eram resgatadas por príncipes para alcançarem a felicidade, eram guerreiras, fortes, determinadas, viviam suas vidas da maneira que bem entendiam e tinham um amor em comum: a arte.

—  Sempre tive vontade de contar histórias para crianças, e principalmente aquelas voltadas para o empoderamento das meninas — conta Isadora, que interpreta a escritora Clarice Lispector e a folclorista chilena Violeta Parra, enquanto Emeli dá vida à Frida Kahlo.

As três mulheres são as personagens dos livros já traduzidos para o português - para quem também lê em espanhol, há ainda obras sobre a poetisa argentina Alfonsina Storni e da boliviana Juana Azurduy, que participou das lutas pela independência da América espanhola.

— As crianças gostam bastante e costumam entrar na contação de história. Acho que a gente consegue passar a mensagem para elas e também para eles, porque a recepção dos meninos também é muito boa. Depois da apresentação, a gente faz conversas e as crianças se mostram surpresas, a maioria não conhecia ainda as histórias mas gosta muito — explica a atriz e contadora, que está na penúltima fase do curso.

— A gente sente vontade de continuar com o projeto, para conseguir circular com a peça. Temos também vontade de contar a história de mais mulheres do Brasil, daqui de Santa Catarina e de outros estados — finaliza.

Agende-se
O quê: espetáculo Antiprincesas, do grupo Duas e Só
Quando: quarta-feira, às 19h30min e sexta-feira, às 16h
Onde: quarta-feira, no Centro de Artes da Udesc (Av. Me. Benvenuta, 2.007, Itacorubi, Florianópolis) e na sexta, no Mercado São Jorge (Rua Brejaúna, 43, Itacorubi)
Quanto: quarta-feira - gratuito, com ingressos distribuídos meia hora antes do espetáculo. Sexta-feira - gratuito

Leia mais: 

Oficinas de desprincesamento ensinam meninas a crescer livres de estereótipos de gêneros 

Primeira atriz com nanismo a ter  papel de destaque em novelas, Juliana Caldas comemora: "Felicidade e gratidão" 

Florianópolis passa a ter sessão de cinema especial para pessoas com  autismo


 Veja também
 
 Comente essa história