Após revelações polêmicas sobre "Kill Bill", Uma Thurman diz que voltaria a trabalhar com Tarantino Reprodução/Instagram

Cena do carro em "Kill Bill 2" fez a atriz se machucar

Foto: Reprodução / Instagram

O que ocorreu entre Uma Thurman e Quentin Tarantino durante as filmagens de Kill Bill parece não ter abalado o relacionamento entre os dois. Em entrevista ao portal Entertainment Weekly divulgada na sexta-feira (4), a atriz disse que, caso o diretor tivesse um grande papel para ela, consideraria a possibilidade de trabalhar com ele mais uma vez.

Em fevereiro, a atriz fez fortes revelações ao jornal The New York Times. Afirmou que a cena em preto e branco de Kill Bill — Volume 2 (2004), onde ela aparece dirigindo um carro, terminou com um acidente e partes de seu corpo machucadas. De acordo com ela, o veículo não estava em condições seguras, e um membro técnico da equipe chegou a avisar o diretor. Sob protestos da atriz, Tarantino fez Uma gravar mesmo assim.

Provando a veracidade da acusação, Uma enviou um vídeo ao New York Times que mostra os bastidores da cena. Ela bateu a cabeça no volante, o que lhe gerou machucados na perna, na cabeça e no pescoço.

— Ele se desculpo 15 anos depois. Não que isso importe agora, já que tenho meu pescoço danificado permanentemente e meus joelhos ferrados — desabafou ao jornal.

Ao portal Entertainment Weekly disse que, dependendo do trabalho e da situação, voltaria a se unir profissionalmente ao diretor. Também falou que a relação entre eles seguiu boa mesmo após o acidente.

— Se ele escrevesse um grande papel. Eu o entendo, e se ele escrevesse um grande papel, seria algo a mais.

Tarantino chegou a se desculpar publicamente logo após Uma ter revelado o perigo ao qual o diretor a expôs.

i post this clip to memorialize it’s full exposure in the nyt by Maureen Dowd. the circumstances of this event were negligent to the point of criminality. i do not believe though with malicious intent. Quentin Tarantino, was deeply regretful and remains remorseful about this sorry event, and gave me the footage years later so i could expose it and let it see the light of day, regardless of it most likely being an event for which justice will never be possible. he also did so with full knowledge it could cause him personal harm, and i am proud of him for doing the right thing and for his courage. THE COVER UP after the fact is UNFORGIVABLE. for this i hold Lawrence Bender, E. Bennett Walsh, and the notorious Harvey Weinstein solely responsible. they lied, destroyed evidence, and continue to lie about the permanent harm they caused and then chose to suppress. the cover up did have malicious intent, and shame on these three for all eternity. CAA never sent anyone to Mexico. i hope they look after other clients more respectfully if they in fact want to do the job for which they take money with any decency.

Uma publicação compartilhada por Uma Thurman (@ithurman) em

— O fato de que ela acreditou em mim, e eu literalmente vi esta pequena curva surgindo. E ela roda em falso. Foi muito triste. De longe um dos maiores arrependimentos de minha carreira, um dos maiores arrependimentos da minha vida. Por muitos motivos — disse ele à época. 

Na mesma entrevista ao New York Times, Uma também mirou no produtor Harvey Weinstein, envolvido em vários episódios de assédio sexual em Hollywood. De acordo com ela, o produtor fez alguns convites impróprios tanto na época em que trabalhou em Kill Bill — Volumes 1 (2003) e 2 (2004) quanto na época de Pulp Fiction (1995). Em determinada situação, disse que, se ela não dormisse com ele, perderia o emprego. Em outra, abusou dela sexualmente.

Leia mais notícias de Entretenimento

 Veja também
 
 Comente essa história