Vítimas de acidente com voo da Chapecoense são sepultadas em todo o Brasil Ronaldo Bernardi/Agência RBS

Caixão do zagueiro Filipe Machado, velado na Arena do Grêmio, foi coberto por uma camisa da Chape e cercado por fotos

Foto: Ronaldo Bernardi / Agência RBS

Depois da cerimônia de homenagem às vítimas do acidente com o avião da Chapecoense, os corpos dos jogadores, jornalistas e dirigentes foram levados para velório e sepultamento nas cidades natais. Ao todo, 16 corpos foram sepultados em Chapecó, sendo 13 deles no próprio sábado. No domingo, mais três pessoas foram enterradas na cidade.

O ex-diretor do clube, Edir de Marco, foi sepultado em Cordilheira Alta, também no Oeste. A despedida de outras três pessoas ocorreu em Seara, São Lourenço do Oeste e Xaxim, próximas a Chapecó. 

Dos 50 corpos velados em cerimônia coletiva na Arena Condá, 15 foram colocados de volta no avião da FAB, por volta das 17h de sábado, e levados para o Rio de Janeiro (RJ). De lá foram encaminhados para as cidades natais. Um deles foi o cinegrafista Ari Júnior, que chegou no início da tarde deste domingo a Trindade, na Região Metropolitana de Goiânia.

No Rio Grande do Sul, 11 vítimas foram veladas ao longo deste fim de semana. O corpo de Laion Espíndola, 29 anos, que era repórter do GloboEsporte.com, foi velado em Terra de Areia, no Litoral Norte do RS, e foi sepultado na tarde deste domingo no Cemitério Municipal. 

O corpo do zagueiro Filipe Machado seguiu para Porto Alegre após o velório coletivo realizado na Arena Condá. No início da tarde deste domingo, foi levado ao Crematório Metropolitano São José, em Porto Alegre, para a cerimônia de despedida, realizada às 15h deste domingo. 

O repórter da RBS TV de Chapecó, Giovane Klein Victória, 28 anos, foi velado inicialmente em uma cerimônia fechada para família e amigos no Estádio da Boca do Lobo, em Pelotas, no sábado. Depois das 20h30min, o local foi aberto à comunidade. O sepultamento aconteceu às 10h deste domingo no Memorial Pelotas.

O volante Josimar, 30 anos, foi velado durante a madrugada deste domingo no campo do Progresso Futebol Clube, em Pelotas. Às 11h, o corpo dele foi levado para Porto Alegre, onde foi sepultado.

Foto: Filipe Silva Pfingstag / Especial/Agência RBS

O corpo do capitão da Chapecoense, Cléber Santana, chegou ao Aeroporto Internacional dos Guararapes, em Recife, por volta das 10h deste domingo. Do aeroporto recifense, seguiu para o Estádio da Ilha do Retiro. O meio campista foi cremado no fim da tarde deste domingo.

Em Balneário Camboriú, na sede da Federação Catarinense de Futebol (FCF), foi velado Delfim de Pádua Peixoto Filho, que presidiu por mais de 30 anos a FCF. Ele foi cremado no fim da tarde deste domingo, no Crematório Vaticano. 

Delfim foi velado neste domingo em Balneário Camboriú Foto: Augusto Ittner / Agência RBS

O domingo ainda foi de despedidas para familiares de outras vítimas do acidente com o voo da Chapecoense na Colômbia. 

Chapecó
Os dois cemitérios de Chapecó, o Municipal e o Jardim do Éden, receberam ao todo 16 sepultamentos. O massagista Sérgio Luis Ferreira de Jesus foi enterrado neste domingo no Cemitério Municipal, assim como o supervisor de futebol Emerson Fábio di Domenico. No mesmo local foram sepultados o empresário Davi Barela, o diretor de futebol Mauro Luis Stumpf, o assessor de imprensa Gilberto Pace Thomaz, o vice-presidente de marketing, Jandir Bordignon, e o tesoureiro Décio Burtet Filho, este, às 19h de sábado. 

A maioria dos sepultamentos em Chapecó ocorreu no Cemitério Jardim do Éden. O roupeiro Anderson Donizeti Lucas, o Cocada, foi o primeiro deles, às 19h de sábado. No local também foram sepultados o médico Márcio Koury, o assessor de imprensa Cleberson Fernando da Silva, o conselheiro Ricardo Philipi Porto, o empresário Nilson Folle Júnior, o repórter Edson Luiz Ebeliny, o preparador físico Anderson Paixão, o narrador Fernando Schardong e o presidente da Chapecoense, Sandro Pallaoro. 

O ex-diretor do clube, Edir de Marco, foi sepultado em Cordilheira Alta. Outras três pessoas foram sepultadas em municípios do Oeste, entre eles os jornalistas Gelson Galiotto (rádio Super Condá), em São Lourenço do Oeste, e Douglas Dorneles (rádio Chapecó), em Seara. O diretor Mauro dal Bello foi sepultado em Xaxim.

Florianópolis, Palhoça e Balneário Camboriú

No sábado, em Florianópolis, o repórter do Diário Catarinense, André Luiz Goulart Podiacki, após ser homenageado com uma missa na Catedral Metropolitana da Capital, foi velado durante a tarde de sábado na capela do Cemitério do Itacorubi, mesmo local do enterro.

O cinegrafista Djalma Araujo Neto, que trabalhava há 13 anos na RBS TV, foi velado na capela do Cemitério do Itacorubi, em Florianópolis, e enterrado no Cemitério Municipal de Canajurê, em Canasvieiras.

O velório do técnico de externas Bruno Mauro da Silva, da RBS TV, aconteceu no Campo do Avante, no bairro Pachecos, em Palhoça. Ele foi sepultado no Cemitério Bom Jesus de Nazaré, no bairro Passa Vinte.

Quem são os jornalistas da RBS/SC que estavam no voo da Chapecoense 

Conheça os três manezinhos no voo da Chapecoense

Outros estados

O locutor Deva Pascovicci, narrador da Fox Sports, foi sepultado em Monte Aprazível, no interior de São Paulo (SP), neste domingo. Em Mirassol, ocorreu o enterro do coordenador de transmissões externas da Fox Sports, Lilacio Pereira Junior. Também da Fox Sports, o comentarista Mário Sérgio Pontes de Paiva foi cremado em Itapecerica da Serra, na Grade São Paulo, na tarde de sábado.

Também em cidades do interior paulista foram sepultados o lateral-direito Gimenez, em Ribeirão Preto, o atacante Canela, em Matão, o volante Sergio Manoel, em Itapevi, o lateral-direito Mateus Caramelo, em Clementina, e um dos membros da comissão técnica da Chapecoense, Luiz Cesar, o Cezinha. 

Para o Rio de Janeiro (RJ), seguiram os corpos do repórter da Rede Globo, Guilherme Marques, do produtor Guilherme Van Der Laars, dos cinegrafistas Ari Júnior e Rodrigo Santana, do repórter Victorino Chermont e do comentarista Paulo Julio Clement. 

Para cidades do interior do Rio, foram levados os corpos dos atacantes Bruno Rangel e Thiaguinho, sepultados em Campos dos Goytacazes e Bom Jardim, respectivamente.

O Rio Grande do Sul foi o local da última homenagem a integrantes da delegação da Chapecoense. O zagueiro Filipe Machado, o atacante Kempes, os volantes Matheus Biteco e Josimar, o lateral-esquerdo Dener e o dirigente Eduardo Luiz Preuss foram sepultados ou cremados no Estado.

Também em solo gaúcho ocorreu a despedida do segurança Adriano Bittencourt, do fisioterapeuta Rafael Corrêa Gobbato e dos jornalistas Laion Espíndola, Giovane Klein e Renan Agnolin.

Em Cianorte, no Paraná, o goleiro Danilo foi velado e sepultado na cidade em que nasceu. Em Curitiba, o técnico Caio Junior foi cremado em cerimônia na tarde deste domingo. Eduardo de Castro Filho, o Duca, auxiliar técnico de Caio, também foi cremado na Capital paranaense. Já o analista de desempenho Luiz Felipe Grohs, o Pipe Grohs, foi sepultado no Cemitério Iguaçu, em Curitiba. Em São Jorge D'Oeste, interior paranaense, foi sepultado o narrador Jacir Biavati.

O capitão chapecoense Cléber Santana foi velado no salão nobre da sede do Sport Clube Recife, onde começou a carreira. Seu corpo foi cremado às 18h deste domingo. O meio-campo José Paiva, o Gil, foi velado e sepultado em Nova Cruz, no interior do Rio Grande do Norte. O enterro do atacante Ananias foi em Salvador (BA), do meio-campista Arthur Maia em Maceió (AL), do zagueiro William Thiego em Aracaju (SE), e do atacante Lucas Gomes em Bragança, no Pará.

Para Minas Gerais seguiram o zagueiro Marcelo Augusto Mathias da Silva, sepultado em Juiz de Fora, e o preparador físico Anderson Boião, enterrado em Belo Horizonte.

Leia mais:

Missa de sétimo dia ocorre na terça-feira em Chapecó

No dia seguinte ao adeus, Arena Condá ainda recebe visitantes

 Veja também
 
 Comente essa história