Técnico da Chapecoense disse que tirou o peso de uma torre e meia das costas MáRCIO CUNHA/Estadão Conteúdo

Chapecoense venceu de virada o Atlético-PR, na Arena Condá

Foto: MáRCIO CUNHA / Estadão Conteúdo

Poucas vitórias na Arena Condá trouxeram tanto alívio como a da vitória da noite desta quinta-feira, na Arena Condá, por 2 a 1, diante do Atlético Paranaense.

Torcedores, jogadores, diretores, e funcionários do clube, ficaram em êxtase. O técnico Guto Ferreira, também se emocionou quando falou da mobilização da cidade para esta partida.

O treinador disse que houve uma energia favorável que acabou dando resultado dentro de campo.

- O mais importante era vencer, e venceu por que jogou, porque não desistiu, porque teve raça, torcida, teve muita coisa envolvida, a energia positiva da cidade foi envolvente – destacou o técnico.

Para o treinador na partida contra o Atlético Paranaense o time teve um dos desempenhos mais equilibrados sob o seu comando e, apesar dos gols terem saído no segundo tempo, ele lembrou que o time criou chances de gol no primeiro tempo. Destacou ainda que a vitória foi muito importante pela situação do time, que conseguiu sair da zona de rebaixamento.

- A vitória foi num momento muito importante, tudo isso tirou o peso de uma torre gêmea e meia das costas, agora vamos trabalhar para colocar a Chapecoense no meio da tabela que é onde ela merece estar.

Questionado sobre ter o cargo ameaçado caso não tivesse vencido o treinador confirmou que houve uma reunião com a direção e conselho gestor do clube, na segunda-feira.

- Eu tive a confiança da direção e do conselho gestor e eles transmitiram isso para o vestiário, para os jogadores e isso traz energia e confiança para seguir acreditando no trabalho – afirmou.

 Também ressaltou que vitória tem o “G”, não de Guto, mas de Grupo.

Ele elogiou vários atletas mas destacou a atuação de Bruno Silva, que entrou no segundo tempo e participou da jogada dos dois gols.

Mesmo com o bom resultado o técnico lembrou que ainda tem uma situação que o incomoda, que é tomar gol em todos os jogos sob o seu comando. Ele pretende corrigir isso na sequência para que as vitórias não sejam tão sofridas como a desta quinta-feira.

Leia mais notícias sobre a Chapecoense

 Veja também
 
 Comente essa história