Com Raphael Silva na transição, Nino fala sobre titularidade: "Quem tem a ganhar é o Criciúma" Fernando Ribeiro/www.criciuma.com.br / Divulgação/Divulgação

Foto: Fernando Ribeiro/www.criciuma.com.br / Divulgação / Divulgação

No Criciúma desde o ano passado, foi pela Série B de 2017 que o zagueiro Nino, 20 anos, ganhou espaço e sequência entre os titulares. Já foram 15 jogos, a maioria deles depois da lesão de Raphael Silva, em julho. Desde então, o zagueiro tem aproveitado as oportunidades para ganhar mais confiança e ritmo de jogo, mas a titularidade pode estar ameaçada. Raphael já está em fase de transição e, nos próximos dias, deve ficar à disposição do técnico Beto Campos.

— É um cara com quem eu aprendo muito, e a gente que joga sabe como é ruim ficar fora por lesão. Torço para que ele volte a ajudar nosso time e sei que o Beto Campos vai fazer o que for melhor para a equipe. Só quem tem a ganhar com isso é o Criciúma — comentou Nino.

Depois do empate fora de casa com o Guarani, o Tigre conquistou mais um ponto longe do Heriberto Hülse. Até agora são 18 dos 39 somados ao todo, o que faz do Criciúma um visitante que incomoda. Em casa foram 21, desempenho abaixo do esperado e que tem mantido o time afastado da zona de classificação. Na próxima partida diante do torcedor, às 16h30min de sábado, contra o Londrina, só a vitória mantém o time com chances matemáticas de acesso.

— Isso incomoda a nós jogadores, no jogo contra o Figueirense principalmente mandamos o jogo inteiro, fomos superiores, e infelizmente não conseguimos a vitória. Temos conversado e sempre que jogamos em casa tentamos nos impor desde o primeiro minuto, dar o máximo. Conversamos e vamos tentar sempre conseguir as vitórias dentro de casa e pontuar fora, para chegar no G-4 e buscar nossos objetivos — projetou o zagueiro.

Leia mais:
Sob forte chuva, Criciúma empata com o Guarani fora de casa
Com uma mudança no meio, Criciúma viaja para encarar o Guarani 
Leia outras notícias sobre o
Criciúma
Acesse a tabela da Série B do Campeonato Brasileiro 

 Veja também
 
 Comente essa história