Criciúma luta para não fazer o pior turno da história do clube Guilherme Hahn/Especial

Foto: Guilherme Hahn / Especial

O ano de 2008 não trás boas lembranças para o torcedor do Criciúma. Formado por nomes como Jardel, Luis Mário, Valdiram e Wescley, o time de medalhões tem, até hoje, a pior campanha do Tigre na Série B no formato atual. Não à toa, o resultado foi o rebaixamento para a terceira divisão.

Dez anos depois, o cenário não é muito melhor. O Criciúma precisa vencer ao menos dois dos três jogos que restam para superar o pior primeiro turno da história, "façanha" que o time de 2008 conseguiu com 22 pontos, seis vitórias e saldo negativo de oito gols. Naquele ano, o Tigre ainda conseguiu chegar à metade da competição fora da zona de rebaixamento, na 15ª posição.

não_publicada***  Criciúma E.C. - Jardel  ***Criciúma - 04/08/2008 - Criciúma E.C. Jardel do tigre
Em 2008, o atacante Jardel era um dos principais nomes do timeFoto: Ulisses Job / Agencia RBS

O técnico do Criciúma, Mazola Júnior, porém, disse que não existe meta de pontos por número de jogos. O foco está todo em fazer um bom jogo contra o próximo adversário, o CRB, clube em que o comandante já trabalhou e conhece bem.

— Não tem nada disso, é jogo a jogo. Lá em Maceió vai ser muito difícil. Conheço muito bem aquele time, 80% dos jogadores fui em quem pedi a contratação — frisou.

Ausência contra o CRB

Para o confronto, Mazola não terá à disposição o atacante João Paulo. O jogador fez um exame logo depois do jogo e foi detectado edema ósseo na perna direita. O problema ainda vai ser avaliado com mais profundidade pelo departamento médico, mas a ausência dele na terça-feira já é certa. João Paulo se lesionou ao dividir com o goleiro Vagner ainda no primeiro tempo do jogo contra o Londrina.

Leia mais notícias sobre o Criciúma no DC

 Veja também
 
 Comente essa história