Criciúma não terá folga até o jogo contra o Brasil de Pelotas Guilherme Hahn/Especial

Joanderson deve ganhar oportunidade na frente com as ausências de Zé Carlos e Vitor Feijão

Foto: Guilherme Hahn / Especial

O Criciúma folgou na quarta-feira seguinte ao empate em 0 a 0 com o Oeste, mas, agora, não terá folga alguma até terça-feira, quando recebe o Brasil de Pelotas em casa, às 21h30min. A programação de treinos do Tigre prevê atividades nas manhãs de sábado e domingo, além de um último treino na segunda-feira.

O técnico Mazola Júnior ainda está longe de definir o time. Nesta quarta, ele comandou um bate-bola com campo reduzido, mas sem indicar quem seriam os titulares. Haverá pelo menos três desfalques, dois titulares. Vitor Feijão está suspenso e Zé Carlos não deve estar disponível. Ele se recupera de uma lesão sofrida no jogo com o Oeste. Entre os reservas, Alex Maranhão também está suspenso.

Os retornos de Sueliton, Ronaldo, Eduardo e Nicolas amenizam a situação, mas o setor ofensivo ainda é uma dor de cabeça e tanto para Mazola, que perde os dois titulares. O mais provável é que ele comece com Joanderson, que entrou no lugar de Zé Carlos na última terça. O substituto ainda não marcou nenhum gol com a camisa do Tigre e ele mesmo admite que isso o incomoda.

— Atacante quer sempre fazer gols, é o nosso papel. Mas o mais importante é ajudar a equipe. Se você não faz gol, ajuda em outros aspectos, marcando, se entregando dentro de campo. Acho que o espírito é esse. Quem joga no Criciúma sabe que a tradição do clube é essa. Agora é manter o foco, que uma hora a bola vai entrar — projeta Joanderson.

Andrew ou Nicolas são os mais cotados para completar a dupla de ataque. Outra possibilidade é Mazola aproveitar a fartura de opções no meio-campo e montar um time mais povoado na zona intermediária.

O confronto com o Brasil de Pelotas é direto na luta contra o rebaixamento na Série B. O time gaúcho é o 15º colocado, com 34 pontos, seis a menos que o Criciúma. 

Veja a tabela da Série B do Brasileiro
Mais notícias do
Criciúma

 Veja também
 
 Comente essa história