Dal Farra rebate acusações de Mazola: "O Criciúma não deve nada a ninguém" Lariane Cagnini/Agencia RBS

Dal Farra foi chamado de covarde pelo ex-técnico do Tigre

Foto: Lariane Cagnini / Agencia RBS

O final de semana foi agitado nos bastidores do Criciúma. Um dos responsáveis por evitar o rebaixamento na Série B do Brasileiro, o técnico Mazola Júnior não teve seu contrato renovado. Segundo o presidente Jaime Dal Farra, o treinador teria pedido aumento de 70% em relação ao que recebia durante a temporada 2018 e, por isso, as partes não chegaram ao acordo para ampliar o vínculo.

Ao tomar conhecimento da declaração de Dal Farra, Mazola Júnior enviou sonora à imprensa explicando que não pediu 70% de aumento salarial, mas sim uma equiparação do valor que recebia no CRB, seu último clube antes do Criciúma. Ao dirigente, o treinador enviou áudios em que o acusa de mentir em reunião do Conselho Deliberativo do Tigre, além chamá-lo de covarde. 

– Jaime, você foi uma das grandes decepções da minha carreira como treinador. Se você não quisesse renovar comigo, agisse de uma maneira mais límpida. Você foi covarde ao dizer que eu pedi 70% de aumento. Eu só pedi para você me pagar o que eu ganhava no CRB. Esse argumento dizendo que eu pedi 70% de aumento é escroto, nojento e vagabundo. Eu espero que você seja homem e me pague o que me deve. Eu sou o melhor cara do mundo, mas não me f***. Ontem, você me f*** no Conselho. Fui honesto com você e sincero. E você foi covarde. Fica com Deus e toca o seu Criciúma. Você está na Série B hoje por causa de mim e não por causa de você – disse Mazola em áudio enviado a Dal Farra. 

Em outra mensagem, o ex-treinador do Criciúma disse que arrumou um "esquema" para o presidente do clube "ganhar dinheiro com energia". De acordo com Mazola, isso envolveria João Feijó, dirigente esportivo de Alagoas. Dal Farra respondeu em nota as acusações do profissional e afirmou que as ofensas não serão respondidas por ele, dando a entender que tomará medidas judiciais para resolver a situação. 

A íntegra da resposta de Jaime Dal Farra:

Em relação as declarações concedidas pelo técnico Mazola, quero esclarecer algumas coisas. 

Em relação aos percentuais colocados no Conselho, os 70% representam o seguinte: em 2018 tinha remuneração de R$ 45 mil, e a solicitação dele era de R$ 70 mil, perfazendo total de 56% mais os encargos sociais, que chegaria em torno de 70% de aumento. 

Também em relação aos débitos que tem o clube, eles estão em dia. Desde 2010 o Criciúma não deve nada para ninguém, e os débitos que tem com ele já que ainda se encontra vinculado, em férias, serão todos pagos de forma integral. 

Esquema de energia citado por ele, que teria vinculação com senhor Feijó, seria energia limpa e oferecida à Casan, de natureza privada e particular, não tendo qualquer relação com o futebol. 

Em relação às ofensas pessoais, quero dizer que não serão respondidas por mim. Quero agradecer e desejar toda sorte do mundo ao Mazola no clube onde ele vier a trabalhar. 

Um abraço a todos.

Veja a tabela da Série B do Brasileiro
Mais notícias do Criciúma   

 Veja também
 
 Comente essa história