Ídolos do passado: Wilson marcou época no Criciúma Alvarélio Kurossu /

Wilson segue envolvido com o Criciúma mesmo após aposentadoria

Foto: Alvarélio Kurossu

 Não há paixão maior no esporte para o ex-zagueiro do Criciúma, Wilson Vaterkemper, o Wilsão, que o clube que o consagrou. Mais de 400 partidas disputadas com a camisa tricolor e sete títulos (ele é o ex-jogador do Tigre com mais títulos pelo clube) são sempre motivo de emoção para o ex-atleta que compôs o grupo de 1991, aquele que conquistou o título mais querido e festejado do clube, a Copa do Brasil.

• VÍDEO: Wilson fala sobre a decisão do turno e o passado no Tigre

A história de Wilsão é tão ligada ao Criciúma Esporte Clube que foi no Estádio Heriberto Hülse, aos 17 anos, onde começou sua carreira, e foi para o mesmo local que retornou ao encerrar a carreira como jogador profissional: passou a trabalhar com as categorias de base no clube. O envolvimento ainda lhe rendeu uma passagem no comando do grupo profissional, um afastamento rápido em 2010 e o retorno aos Juniores este ano. Para ele, tudo é motivo para estar perto do Criciúma.

Nada foge da memória de Vaterkemper, tampouco as glórias do passado e a emoção causada pela torcida ao gritar seu nome e impulsionar a equipe. Do grupo que integrou e que "ganhava todas", tirou lições de amizade, profissionalismo e caráter que lhe acompanham até hoje e que ele repassa aos jovens atletas em começo de carreira.

— O trabalho bem feito no clube tanto no gramado quanto nos bastidores todos esses anos me rende uma boa relação de admiração e carinho com os torcedores. E eu amo tanto esse clube que sou associado e vejo os jogos no estádio sentado na arquibancada entre eles — ressalta.

Neste domingo ele não estará na arquibancada, mas o coração baterá mais forte, garante, quando puder ver o Tigre no gramado numa situação tão importante, bem do jeitinho que ele gosta: numa partida de muita pegada, marcação forte, tenso e com atletas aguerridos.

— Os dois times estão bem treinados. O Figueira leva a vantagem pelo entrosamento da equipe, jogadores há muito tempo juntos. E o Criciúma leva a vantagem da motivação e a oportunidade de superação — analisa.

QUEM É

Nome: Wilson Vaterkemper
Idade: 43 anos
Clubes que defendeu: Criciúma, Goiás (GO), União Barbarense (SP), Ceará (CE), Avaí e Taquaritinga (Série A-2 SP)
Títulos que conquistou: pelo Criciúma os Catarinenses de 1989, 1990, 1991, 1993, 1995, 1998 e a Copa do Brasil. Pelo Goiás o Estadual de 1997 e pelo União Barbarense o Campeonato Paulista Interior de 1999.

Ligação com o clube: começou nas categorias de base como jogador em 1985, ao encerrar a carreira tornou-se durante seis anos técnico do Juvenil e do Juniores, comandou o time profissional durante dois meses no Campeonato Catarinense de 2010 e este ano passou a ser técnico do Juniores.

O que faz hoje: é técnico do Juniores e associado do Criciúma Esporte Clube

COMO SURPREENDER

"A marcação tem que ser forte e os atletas precisam neutralizar os principais pontos de perigo do Figueirense. Com a marcação bem feita faltará espaço para o Figueirense e sobrará para o Criciúma. O Figueirense é uma equipe parelha e joga muito pelas laterais, pode ser um setor a ser explorado pelo Tigre."

COMO NÃO SER SURPREENDIDO

"Estar concentrado e alerta no jogo é primordial. A preparação durante a semana também é importante porque não se trata de um jogo qualquer e não dá para pensar no que fazer no dia do jogo. Ter consciência de quem é o adversário e saber como ele se movimenta, estudá-lo com antecedência faz muita diferença."

JOGADOR QUE MAIS ADMIRA

"Num grupo que está homogêneo e todos precisam de todos não dá para destacar apenas um. Mas atletas como Roni, que vem buscando espaço, Andrey, Schwenck, Pirão e Carlinhos Santos estão se sobressaindo."

PSICOLÓGICO

"Na época do grupo de 1991 tínhamos uma amizade forte e sempre sabíamos como nos ajudar para nada interferir no gramado. Acredito que é necessário fazer o grupo acreditar nele mesmo e no seu potencial. Cada jogador precisa querer vencer de verdade. Eles têm que colocar esse sentimento de vitória na cabeça e no coração. Quem quer vencer sonha com as situações que podem ocorrer nos jogos. Só querer da boca para fora não dá."

PALPITE

"2 a 1 para o Criciúma. Outro resultado não serve para nós."

LEMBRANÇAS

"Além da conquista de tantos títulos pelo Criciúma, ter marcado 30 gols nesse clube e conquistado a Copa do Brasil de 1991, houve um embate entre Criciúma e Figueirense num estadual em 1994 que marquei dois gols, foi o máximo de gols que marquei contra o Figueira numa partida só."

DIÁRIO CATARINENSE
 Veja também
 
 Comente essa história