Cimed anuncia o fim do time de vôlei em Florianópolis Alexandre Arruda/CBV

Cimed buscava o quinto título da Superliga

Foto: Alexandre Arruda / CBV

Não bastaram as cinco temporadas de assombrosa hegemonia no vôlei nacional, coroadas com quatro títulos na Superliga. Não bastou o apoio de uma legião de torcedores, que apelou via Twitter, com a campanha "Fica Cimed". Para a patrocinadora do time de vôlei, bastou de Florianópolis.

Quem ainda esperava por uma improvável permanência da indústria farmacêutica como mantenedora de um time competitivo de vôlei na Capital teve uma grande decepção nesta sexta, quando o clube anunciou oficialmente que fecha as portas. Não haverá um quinto título.

— Nós só temos a agradecer por todo o investimento da Cimed no vôlei em Florianópolis. Foi uma história escrita com tinta de ouro e que nunca será apagada, nunca será esquecida. Agora, nós sabemos que todo investimento de uma empresa em esporte tem data de validade, um dia vai acabar — resignou-se Renan Dal Zotto, o grande mentor da equipe.

O fracasso na batalha pelo penta nas duas últimas temporadas pode ter contribuído para a saída da Cimed. Os títulos motivam, dão força, mobilizam, seduzem mais investidores. Foi assim com a SKY, nesta temporada. Com investimento alto e uma carteira com craques do calibre de Gustavo e Giba (que nem chegou a jogar por Florianópolis), a gigante de televisão por assinatura apostou em Santa Catarina. Perdeu a aposta e recolheu seu cacife. A Cimed, agora, faz o mesmo, mas depois de sete anos de uma escolha feliz, com cinco finais de Superliga e quatro taças na prateleira.

O patrocínio saiu, mas o vôlei há de ficar. A tarefa de sedução do mercado recai novamente nos ombros de Renan Dal Zotto, o "pai" do projeto de alto rendimento na Capital. Depois de Unisul, Nexxera, Cimed, Malwee, SKY, quem será o próximo investidor? Ah, sim, vai ter um novo investidor.

— Até em respeito por tudo o que foi conquistado aqui em Florianópolis, nós vamos buscar um novo patrocinador. Faremos um esforço sobre-humano. O vôlei não pode parar — promete Renan.


Leia a nota oficial da Cimed:

"Fundado em 2005, o Cimed Esporte Clube já nasceu campeão. Conquistou ao longo de sua história cinco títulos estaduais, uma Liga nacional, quatro títulos da Superliga e um Sulamericano de clubes, além de representar o país no mundial em Doha, no Qatar.

João Adibe, presidente do Grupo Cimed, explica que a empresa é 100% brasileira, sempre valorizou e investiu no esporte nacional. O investimento no projeto de voleibol encerra-se em virtude de novas estratégias da empresa.

Durante essa parceria muitos talentos foram revelados, diversos títulos conquistados e fã clubes apaixonados por todo Brasil foram criados.  Agradecemos imensamente a todos os torcedores e atletas que sempre se dedicaram e ajudaram a construir essa história de sucesso, principalmente ao Renan Dal Zotto, que desde o início esteve a frente do time Cimed e levará adiante esse projeto".

DIÁRIO CATARINENSE
 Veja também
 
 Comente essa história