A FIFA experimenta, durante o Mundial de Clubes, que terá a final realizada neste domingo, entre Corinthians e Chelsea, uma nova tecnologia que pretende evitar que erros da arbitragem prejudiquem o espetáculo do futebol. Pela primeira vez no futebol, serão usadas bolas com chips e traves com sensores para avisar aos árbitros quando a bola ultrapassar a linha de gol.

— É uma espécie de revolução  —  considera o secretário-geral da Fifa Jerome Valcke.

A tecnologia, que vem sendo testada de forma oficial na última competição internacional do ano, já está em Santa Catarina há um bom tempo. Desde 2008, a empresa E Mais E Tecnologia, sediada em São José, trabalha com a bola com chip RFID.

— Trabalhamos com a tecnologia RFID em diversas outras formas. A bola tem um chip, e as traves tem antenas que emitem uma frequência. Assim, quando a bola alcança essa frequência, é dado um sinal para avisar que a bola ultrapassou a linha. Na verdade, utilizamos o chip na bola para mostrar uma utilidade prática. Mas também existem várias outras utilizações — afirma Ricardo Carneiro, um dos responsáveis pelo desenvolvimento tecnológico da empresa.

Recentemente, A E Mais E participou do RFID Journal Live! Brasil 2012, um dos principais eventos da área no país. Em seu estande, a empresa apresentou um minicampo de futebol, a bola com chip e Antenas de RFID. De forma descontraída, eles mostraram como funciona o Chip na bola e o sistema de identificação eletrônica que identifica quando a bola entra no gol.

Com a tecnologia finalmente tendo espaço no futebol profissional, a empresa espera agora  ter a oportunidade de comercializar seus produtos em nível estadual.

— Acho que empresas como a nossa vão ser muito importantes caso a bola seja realmente oficializada. Não sei bem como vai funcionar, mas acho que poderíamos trabalhar junto às federações e proporcionar a todos um futebol cada vez mais moderno — completou.

DIÁRIO CATARINENSE
 Veja também
 
 Comente essa história